Archive for June, 2012

Lonesome George

It was sad to see this past week the death of Lonesome George, the last remaining of the Pinta Island giant tortoise subspecies of the Galapagos Islands. He was estimated as being 100 years old, though he may have been much older (or indeed, much younger). He had survived pirates and whalers coming to the islands and eating many of his co-species; goats and other animals introduced by man who ate their way through his habitat, and was even said to be in his prime. In spite of  years of attempts at introducing him to luring females of other similar sub-species, he was not able to produce any offspring (he did get close with a couple of mates laying eggs, but they failed to hatch) meaning that his particular gene line ended with him.

Baby giant tortoises… so small, but grow so big…

In the last decades, George was guest of the Charles Darwin Research Centre, alongside a number of other giant tortoises from other islands of the Galapagos. The Centre has a program of breeding tortoises from the islands that have been most affected by human influence and which are the most endangered. It is remarkable seeing their work, with the baby tortoises less than a foot long, and the adults who are just absolutely massive – over a metre long and almost a metre high (without their extending their necks or reaching up).

It is impressive though at the same time a sad reminder about how humans can really affect the environment. The environment on a couple of islands in the archipelago such as Baltra Island, where the main airport is, has been devastated: Baltra for example was used as an airforce base by the US during the Second World War, and with all the people and their pets, pretty much all the iguanas and native wildlife was destroyed. On Isabela Island, there is an infestation of Goiaba fruit trees – again, introduce by people. The Goiaba is almost like a weed in that it just proliferates and strangles out local trees. Birds like the fruit, though the hundreds of seeds spread straight through their digestive system and plant themselves everywhere. The young son of a guide we had on the island kept picking the fruit, half eating them, and then threw the rest away into the undergrowth. The guide did nothing.

Nice kitty…. lethal predator.

We saw a wild cat on Santa Cruz Island about a hundred metres away from us. Iguanas on the islands had never previously faced any top predators and were able to live a relaxed life of eating and sunning themselves. These creatures proved to be no match for the lethal instinct of such animals. Then there is of course global warming – the Islands are significantly affected by the cold Humbodlt current for example, which affects feeding of the animals – should this change with increased temperatures (as it is periodically with the El Nino phenomenon) then the consequences for all the animals.

It is great that the Ecuadorian government is trying to get control of the situation (the authorities and park rangers are meant to shoot to kill and wildcats or any other alien animals they see on islands), though there are still an enormous amount of human pressures from increasing local populations and also tourism that threaten the local wildlife. Education of locals, guides and tourists is incredibly important, to help increase the sense of responsibility all should feel, and further controls are needed to be enforced. Hopefully a balance between all the pressures will found, maintained, and hopefully there won’t be other tortoises who will die alone like Lonesome George, and there won’t be other species going extinct.

Strangely enough, in spite of not having reached the summit of Illimani and even having been within touching distance of it when we turned back, I felt content with the decision. As I said, I had done my best, and that was all I could ask of myself. Going back down the mountain to high camp proved easier and even turned into a confidence builder as, as we crossed the knife edge ridge we had crossed in the darkness, with stupidly lethal falls to either side, I was actually able to do so without getting close to panicking or hyperventilating – I was beginning to trust myself and my crampons a bit more and well enough to keep calm. We also crossed some narrow crevasses in the ice which, when we looked down them, did not allow us to see the bottom. It was nice that the cracks (about a foot wide) were visible as some serious damage could have been down had we placed a foot directly in one of them.

Back to the tents, and packing up – after a little rest before the porters got there. It was time to leave our final mountain and go back to La Paz for the final time before returning to São Paulo. Going down the scree and rock face wasn’t easy for me. It was nice that Caleb belayed me down some of the steeper sections, and short-roped me on trickier sections where we had to go over only ice (with the nasty falls to oblivion) with no crampons or ice axe to support us. There were footprints carved into the ice which helped make things easier, though it was still pretty slippery. After three or four ten-metre sections lie these, we had passed the worse, and then it was just the scree and occasionally flat-panel rock faces.

We arrived at base camp at around 5pm. Natalia must have spotted us coming from some distance away as she had come away from the tents to meet us at the trailhead. She explained that she and José had been pretty worried about us as we had been out of radio contact – Caleb had tried calling from the mountains but the radio didn’t seem to want to function. José was preparing to leave the camp to try to find us on the descent. She then told me about how José had lost two friends who were guides on Illimani on separate occasions – basically because in each case they were in rope teams with one tourist, and the tourists lost concentration and fell with nobody being able to arrest the falls. The slopes of Illimani are steep enough that arresting a fall is tough enough for one person by themselves but for the guides to save both themselves and their partner… well it wasn’t possible for José’s friends and that was the end of their stories.

I was just happy to be back for a final night under those clear stars. The disappointment of not having reached the summit hit a bit more on the two-hour walk back in the morning to our vehicles, when we were continually looking back to those spectacular mountain peaks behind us, and during the drive to La Paz. But ah well. At least there can, and will, be a next time.

Acordar de manhã e começar a arrumar tudo já virou rotineiro. E as noites acordando para ir ao banheiro também.  Acordamos cedo, antes d despertador e foi bom poder conversar um pouquinho, falar de coisas bobas e rir um pouco. Depois da descontração é hora de falar como vai ser daqui pra frente, na noite anterior decidiu-se que eu ficaria aqui com o José enquanto Bem e Caleb seguiriam rumo ao cume. Entendo os motivos e agora não adianta mais sofrer, de tudo isso sei que forcei demias meu corpo e que isso só anda atrapalhando. Agora é hora de descansar, comer direito, bebr muita água e tentar ficar melhor de verdade sem recaídas.

Despedir é sempre difícil, e todos sempre parecem com pressa. Desejo boa sorte e peço que tenham cuidado. Da barraca vejo eles seguindo rumo a maratona que vai ser o dia. Ao invês de parar no acampamento intermediário ees seguiram até o High Camp que leva mais ou menos 8 horas. Lá descansaram um pouco e saiem à meia-noite para mais umas 9 horas de subida ate o cume, a volta para o acampamento superior é de +/- 3 horas, mas não poderam dormir lá então voltaram para o acampamento base mais 4 horas. Vai ser cansativo, mas esse na verdade é o jeito que te deixa mais apto, porque ficar muito temo no high camp te faz reter muito líquido em com as pernas inchadas e possíveis dor de cabeça o cume vira coisa do passado.

Enquanto o Ben tem muito o que fazer eu e  José papeamos, fazemos trilhas curtas, escolhemos entre as diversas opções de macarrão para comer. O guia boliviano é cheio de histórias agumas  muito engraçadas outras desapropriadas para a situação. Daqui de baixo sem notícia fica difícil ficar ouvindo sobre os amigos dele que morreram no Illimani. Mas ouço e tento não ficar preocupada, acho que  que mais me aflinge é a falta de experiência de Caleb, ele nunca fez o Illimani antes e não conhece direito as vias. Sempre que o coração aperta, tento me distrair lendo um livro ou caminhando.

A subida até o acampamento foi super desgastante, de acordo com o Ben mesmo com os portadores, ele conseguiu dormir lá em cima e eles decidiram sair rumo ao cume às 4am, j´´a estavam desgastados e chegaram muuito perto do cume, há uns 200 metros, mas estavam lentos e exaustos, acabaram voltando ao acampamento porque senão voltar para o acampamento base ficaria inviável. Voltam magros e cansados.

O retorno deles levou muito tempo, e José e eu ficávamos o tempo todo tirando fotos da montanha tentando encontrá-los, foi um dia em que o Illimani parecia uma televisão, o dia todo olhando pra ele. Pessoas que chegavam no acampamento vinham conversar mas a atenção estava voltada para a montanha. Com o passar das horas a tensão tomou conta e o fato dos rádio não funcionarem não ajudava, a falta de comunicação era terrível, me peguei xingando o guia americano diversas vezes. Mas as horas passaram e quando finalmente vemos eles terminando de descer fico feliz da vida, de longe consigo ver que estão no fim de suas energias, corro com garrafas de água e os ajudo com as coisas. Conversando com o Ben vejo que se irritou de ter saído tão tarde, se saíssem a 1am certeza que teria conseguido. Tento acalma-lo, porque afinal a montanha vai estar ali por muito tempo. Hora de comer e descansar, amanhã toda essa aventura nas montanhas acaba.

<— Marathon to high camp

Negative thoughts did include hearing avalanches and ice falls in the background after dark, and the thoughts of falling off the side of one of the knife-edge ridges that we were bound to encounter. Also, as I mentioned, it would have been nice being able to speak with Natalia. It was good being in the same tent as Caleb though as we were able to chat about everything, though he he had spoken with other climbers who were going down who had said they had completed the summit after leaving at 4am as opposed to the normal midnight. Caleb decided that would be okay to do the same due to the cold that can be experienced on the mountain, though we had said we would meet the porters to go down to base camp at 1pm.

Fine by me, and when I woke up, all of the negative thoughts had gone and I was ready to go. It took a little time getting everything together and getting the gaiters on, though everything was in order. It would have been pitch black outside were it not for the stars which were brilliant. The moon was hidden by the mountain and it was only a very thin crescent moon as well. We could also see the lights of La Paz glimmering in the distance behind us. Headlamps on, and off we went.

Immediately there was a slope which went up to a knife-edge ridge. Fortunately with the dark I was not able to see the consequences of any fall and I was able to get by without too many problems. Up and beyond that and the slopes just did not let up. In comparison to Huayna Potosi where there were relatively gentle slopes coupled with frequent platforms where one could catch one’s breath, this was just un-remitting slopes. Not gentle ones either.

My body didn’t feel great at the start and the slopes soon started to have affect on me. Not sure if it was because I was still tired from the trek up to High Camp – Caleb, in a frank discussion about fitness, said that he thought I was above average fitness in comparison to others he had worked with. Problem is that at the altitude of High Camp, the body doesn’t recover quite so well from physical exertion quite so quickly, and it needs much more water to be able to function properly – more than I had been drinking, though from my urine I did not appear to be dehydrated at all. Caleb thought that the altitude at around 5,800 seems to hit me a bit like a wall and perhaps my body is still not completely adapted… I guess this will only come with practice though.

We kept going, though pausing frequently. At around 6.30am the sunlight appeared in the sky, though the sun was coming directly from the other side of Illimani, so we remained in the shade for a good while longer before the rays did eventually reach us. The wind was pretty strong and for the first time during the three weeks, I had all my layers on while walking, including my think down parker jacket and down mittens. My pace became slower though and though I was using breathing/walking techniques Caleb had taught us, I still had to stop every five or six steps or so to recover some more air. We could see the summit and it was slowly getting closer.

Passing crevasses to both sides of us, we weaved our way up and over the main glacier along the route, and up so we could see the trail in the side of the mountain leading its way to the summit. Caleb estimated that we were about 200-300 metres below the summit, though we would still need a couple of hours at my slow pace to reach it, and the time was already 10.30am… then we would need to get back down again. So it was I who took the decision: we would admit defeat and turn back.

Time and exhaustion were the main elements in the decision. It would have been nice to have had longer to complete the ascent, but there was nothing much that could be done now in this regard. The climb had turned into a continual struggle to place one foot ahead of the other and push mself up the mountainside, so I think it was the right choice. A shame, but the mountain will be there for a long time to come (hopefully with glaciers in tact, as they have been shrinking with global warming), and I don’t want to kill myself reaching any goal. I had done my best to get as far as we did (Caleb was pretty impressed that I had pushed myself as far as I got considering the struggle it proved to be for me). Am pretty confident that with a little more training, and a bit more time, I will be able to reach the summit of Illimani and higher peaks. Same with Natalia. Maybe we didn’t make it this time, though next time it will be a different story.

Thanks to Caleb for letting us use a few of your photos!

No ultimo mês de Janeiro, fiz uma das viagens mais incríveis da minha vida. Passei uma semana na Patagônia argentina.

Como alguns sabem, eu trabalho na parte de pós-produção do programa CQC. Isto implica que as minhas férias devem sempre ser tiradas junto com o recesso do programa em Janeiro.
Nos anos anteriores, tinha viajado para o hemisfério norte, então sempre acabava pegando muito frio, já que nessa época é verão aqui mas inverno lá. Dessa vez queria dar uma escapada do frio, e resolvi ir para a Argentina. Não que eu não goste do frio, eu gusto, e muito! Mas queria aproveitar também umas férias em um clima mais quente. Comprei passagens para Buenos Aires, com uma diferença de 23 dias entre as datas de ida e volta. Chegando lá eu pensaria em oque fazer com o tempo.

Fiquei em Buenos Aires por 18 dias. É bastante tempo em uma cidade só, mas gosto de ficar bastante tempo em uma cidade em vez de visitar várias cidades em poucos dias. Acredito que assim, pode-se conhecer melhor a cidade, mesmo porquê, penso que a cidade não é feita só dos prédio, parques, restaurantes, e cartões postais, mas também de pessoas, e para conhecer as maneiras, manias e trejeitos das pessoas de alguma cidade você precisa investir um tempo nisso. Depois desses 18 dias acabei indo de avião pegar um friozinho na Patagônia.

Geleira Perito Moreno avistada dos balcões

Meu voo fez o trajeto Buenos Aires-El Calafate. A cidade de 5500 habitantes é muito simpática. Possui um bom aeroporto e uma boa estrutura hoteleira. Entre as atividades disponíveis, escolhi fazer uma visita ao Parque Nacional de Los Glaciares.Não lembro exatamente dos valores, mas estrangeiros devem pagar uma taxa para entrar no parque, mas como somos parceiros no Mercosul temos um desconto que deve ser de algo em torno de 30%. Há uma série de plataformas e balcões onde se pode andar e ver as duas faces da Geleira Perito Moreno há uma distância de aproximadamente 200metros, um delirio visual e uma mostra de como a natureza é incrível. Depois fiz oque eles chamam de Safari Náutico, entrei em um catamarã que navega dentro do lago argentino. Com esse barco, pode-se chegar ainda mais perto da geleira.  A visão era espetacular e me fez perceber como somos pequenos. Uma parede de gelo com mais de 60 metros de altura, definitivamente algo que merece ser visto por todo mundo.  Depois peguei um ônibus para El Chaltén.

Estrada entre El Calafate e El Chalten

El Chaltén é a cidade mais nova da Argentina. Fundada em 1985 para manter a soberania da Argentina em questões fronteiriças com o Chile, logo se tornou a capital argentina do Trekking. Antes mesmo disso já era uma area onde no verão diversos montanhistas montavam seu acampamento base para dali explorar as diversas opções de trilhas e escaladas. Chegando de ônibus, mesmo antes deste parar na rodoviária, você fará uma pausa rápida no escritório da guarda responsável pelo lugar. Lá são dadas diversas informações sobre a fauna e flora local, assim como algumas orientações de como se comportar nas diversas trilhas. Nesse local também eles entregam um mapa simplificado que diz para onde está cada um dos roteiros de trekking, quanto tempo demora para você chegar lá, e por qual saída da cidade você o alcança. É tudo bem simples.

Trilha leve no primeiro dia

No primeiro dia, fiz de manhã a caminhada mais curta possível, que levava para o Mirados de Los Condores e depois Mirador de Las Aguillas. Foram 40minutos de caminhada para chegar em um mirante de onde se podia ver a cidade inteira e o monte Fitz-Roy. Infelizmente nesse momento a minha câmera estava sem bateria e não consegui registrar nada. Voltei para a cidade para um almoço rápido e trocar a bateria da câmera. Pela tarde peguei outra trilha que levava a uma cachoeira muito bonita a Chorrillo del Salto. Foi uma caminhada curta, aproximadamente 1h30minutos para ir e o mesmo tempo para voltar. Sem grandes subidas e com o terreno bem fácil de ser percorrido, foi um bom aquecimento para o dia seguinte. No segundo dia em El Chaltén, dei uma estudada no mapa e resolvi fazer a trilha mais longa que fosse possivel voltar ainda no mesmo dia. Fui em direção norte saindo da cidade passando pela Laguna Capri, Campo Poincenot e finalmente pegando a trilha final para Laguna de los Tres.

Próximo a Poincenot

O caminho todo até o Campo Poincenot levou um pouco mais de 3 horas, o clima estava agradável, por volta dos 20ºC permitia andar de bermuda e camiseta. Daí pra frente ficou um pouco mais complicado, o ganho de elevação era considerável e conforme ia subindo ficava cada vez mais frio e com o vento muito forte! No meio do caminho precisei para para vestir a calça que estava na mochila e um corta vento. Por causa dos fortes ventos, a paisagem vai mudando drásticamente conforme você vai subindo, em baixo é bem verde, e vai ficando mais árido exponencialmente. Continuei subindo até o fim da trilha, lá em cima, a 1150 metros de altitude(o centro de El Chaltén está a 430 metros) o vento era realmente forte, e o frio pegava. Tive que vestir um agasalho que esquentasse mais por baixo do corta vento. A vista era deslumbrante, em fotos não dá pra ter noção da grandiosidade do Mount Fitz-Roy que se encontra logo na sua frente. O azul da água do lago que se forma no pé da montanha é de uma cor única. Fiquei lá por aproximadamente uma hora, e depois peguei o caminho de volta. Como achei que ainda tinha bastante tempo, estiquei a caminhada até a Laguna Piedras Blancas, a caminha essa mais tranquila, tirando pela parte final, onde se tem que andar e pular sobre pedras gigantes, até chegar mais uma vez em uma vista incrível.

Laguna de Los Tres

Na volta tive que dar uma apertada no passo para voltar para a cidade antes do sol abaixar. Durante o verão o dia na patagônia é bastante longo, mas de qualquer forma eu cometi o erro de sair para um trekking sem levar nenhuma lanterna, então melhor não arriscar.

Cheguei no hostel de volta perto já era quase nove horas da noite, mas ainda tinha pelo menos mais uma hora de luz do sol.

O terceiro dia infelizmente já era o da volta para El Calafate então durante a manhã dei uma conferida no comércio da cidade e aproveitei para experimentar uns doces feitos com calafate, que é um tipo de frutinha local, tudo bem gostoso. A tradição também que quem experimenta a fruta, cedo ou tarde volta para a Patagônia. Que assim seja!

Lago Argentino

Trilha para subir na geleira

De volta à El Calafate, descansei o resto do dia, já que o dia seguinte seria o mais cansativo até então. Acordei logo cedo para tomar um café da manhã reforçado. Este seria o grande dia, o dia de fazer o Big Ice Trekking! Voltei até a geleira Perito Moreno, mas dessa vez, quando entrei no barco, passei perto dela e fui até outra margem do Lago Argentino, lá houve um rápido briefing. Ninguém poderia subir na geleira sem usar luvas e óculos. O motivo das luvas é que o chão de gelo é bastante cortante, e no caso de uma escorregada ou queda mais feia, você deve estar de luvas para usar as mão para amortecer a queda. O motivo dos óculos é que o sol reflete muito na neve e não há nenhuma sombra durante todo o tempo, então os óculos evitam lesões nos olhos. Começamos por uma trilha de aproximadamente 1h30 contornando a geleira até uma base avançada onde pegamos os Crampons. Levamos eles nas mochilas por alguns

Um dos muitos “rios” que correm em cima da geleira. Bebíamos água daí.

metros a mais até um ponto onde a geleira fica com acesso mais fácil. Lá finalmente calçamos os crampons e começamos a andar no gelo. No começo se estranha bastante andar com eles, depois você vai se acostumando bastante. Andamos por quase 2 horas, passando por diversos “rios” que correm em cima da geleira, nessas horas os guias ajudavam mostrando o melhor ponto para pular de um lado para o outro dos mini “rios”. Depois de um tempo paramos no meio da geleira em um lugar onde os rios formavam uma espécie de lago. A agua refletia o gelo e criava um azul claro bastante característico, algo lindo e de cair o queixo. Posso aqui estar sendo repetitivo, mas mais uma vez a Patagônia me mostrou algo inesquecível e inacreditável, não há palavras para descrever a emoção de estar ali, em um dia incrível, de céu limpo e sem nenhum vento. Por ali almoçamos, cada um levou sua própria comida e os guias ainda ofereceram um pouco de chá e pedacinhos de bolo, que estava muito bom. A volta fizemos por outro caminho, mas com as mesmas características. Foi um dos melhores dias da minha vida. na volta ao hotel de ônibus voltei dormindo pelo cansaço do ice trekking. No dia seguinte foi só para dar mais uma passeada na cidade enquanto esperava dar a hora para pegar meu voo de volta ao Brasil.

A noite não é como o esperado, primeiro acordo com o quarto super quente e seco. Bebo água, e molho uma camiseta e coloco na cabiceira da cama, de nada adianta. Ben também acorda com o mesmo problema, abro a janela. Ele volta a dormir mas pra mim era só o começo do desconforto. Cólicas estomacais voltam e a noite vira um pesadelo. Molho a minha camiseta e coloco a camiseta sobre ela, quem sabe assim quando respiro fica melhor e na verdade deu uma mehorada sim. Algum tempo depois as cólicas se transformam em mais uma vez diarréia. E pronto já não durmo e as seguidas idas ao banheiro acorda o Ben, que fica aflito. Ligamos para Caleb às 8am e pedimos para adiarmos a ida para o dia seguinte, ele diz que tudo bem, vem ao quarto com uma garrafa de água e remédios. O dia foi de descanso, muita água e de comidas leves. Em nossos rostos era possível ver que estamos tentando lidar com a possibilidade de eu ficar aqui, e além disso temos que lidar com a frustração que aumenta ainda mais de eu ainda não ter conseguido ir ao topo de uma montanha. Chorar não é a solução mas é a única coisa que alívia um pouco o coração apertado.

Com o passar dos dias pareço estar um pouco melhor, e voltamos a nos animar. Amanhã será o dia, amanhã saíremos daqui para o acampamento base e eu vou estar bem, vou conseguir, o pensamento segue assim, e na hora de dormir até me atrevo a tomar um remédio para controlar meu intestino. Durmo aflita porque sei que amanhã não posso decepcionar, e peço para meu corpo ser forte pelo menos nos próximos 5 dias.

Acordamos cedo, descemos as malas e fomos tomar um café da manhã. Enquanto o Ben se esbalda com torradas e ovos, eu tento ser o mais leve e neutro possível. 2 Torradas com manteiga, um copo de leite quente e litros e litros de água. José chega e é era de partir, a viagem de La Paz ao povoado de Pinaya é de +/- 4 horas, as condições das estradas são péssimas, a via de terra e pedras soltas é estreita, diversas curvas super-fechadas e encontros sem aviso de carros vindo do outro sentido. O precipício do lado direito aumenta a aflição, Ben chega a suar olhando a queda que fica a poucos centímetros das rodas de nosso carro. Chegar a Pinaya é mais que um alívio. Lá comemos um sanduíche de pasta de amendoim e geleia e fechamos 2 burros para carregar as coisas até o acampamento base.

Começamos a trilha, o lugar é muito bonito, passamos por diversas casas e cholitas puxando ovelhas, por aqui tudo é muito verde e quente. A medida que vamos subindo o calor vai diminuindo e o vento aumentando. Por mais resistente que eu tente ser meu corpo começa a entrar em colapso, o estomago dói e se revira. Mais uma vez é difícil respirar e manter o ritmo. Todos começam a reparar que estou ficando mais lenta e ofegante, e minha cara de desconforto demonstra que algo está me afetando. De início respondo que tudo está bem quando me perguntam, mas a revira-volta no meu estomago me obriga a confessar que não estou 100%. Diminuímos o ritmo mas seguimos em frente, quando a dor piora paro, sento e espero passar. Depois seguimos mais adiante. Começo a ficar brava porque não sei se mais uma vez fiz a escolha certa, minha cabeça segue com diversas questionamentos que a cada minuto penso em respostas diferentes. A todo instante José nos dá uma previsão de quanto tempo ainda falta sempre diz a mesma frase ” A esse passo mais ou menos 2 horas”. A verdade é que essa trilha normalmente leva entre 2 a 3 horas, e nós levamos umas 5 horas.

Ao chegar no acampamento, me deito sobre uma pedra que está no sol e me aqueço um pouco ali. Os outros vão olhar as coisas deixadas ao lado das barracas que já estavam armadas. Ben vem me checar e me chama para ir deitar um pouco.

A tarde e a noite no acampamento base promete ser tensa, enquanto Caleb e José conversam sobre o dia seguinte, eu e Ben estamos aflitos na nossa barraca.

So yes, instead of hiking to just camp I (about a five hour walk away, at around 5,000 metres), it was decided that we would go straight past that to high camp (another couple of hours hike/climb at around 5,400 metres); get there for around mid-afternoon, rest and get up at about midnight for an attempt at the summit of Illimani (just under 6,500 metres). Altitude gain of about 2,000 metres in less than 24 hours. Something I wasn’t quite sure I was ready for. Apparently there was no water at camp I, and no snow to melt there. José, who had climbed the mountain a number of times, was to stay with Natalia, whilst Caleb, who had not climbed the mountain before, would go up with me. The one good thing was that we had porters to carry our heavier bags so we were able to go with lighter rucksacks with extra layers in case the cold got to us.

Hot drinks at 7am, though we left at 9am. The sun was still behind the mountain so it was still quite cool and a bit breezy. The walk was quite easy at first; steadily increasing in altitude along a reasonably well trodden path, going up around and over lateral moraines, down again into carved out glacial valleys, and back up over the moraine on the other side. We could see small streams with ice on the surface, with water running underneath, and in one of the small sub-valleys, there was a glacial stream running quite strongly – strongly enough that we were able to re-fill our bottles with it. We made such good progress that we completed the apparently five-hour hike in less than three hours, as we passed a small plateau where wind walls had been built from rocks to protect tents which had been encamped there. The tents had gone, and as we though, there was no water or snow to melt. So  passing that, and upwards.

Which was when the hiking turned into effective climbing and scrambling over scree, and steep, loose, rock surfaces. It was a struggle, that was for sure. We had to be very careful with our footing with the scree and the angles of the falls to our side gradually increased meaning that any loss of balance could have led to bad injury or worse. The fact that we had porters was even more gratefully received as had I had to keep my pack on going up those rocks, I would have … let’s say, had difficulties. Then when we got to parts where we had to cross over ice with steep falls to the side, I was even more grateful as I took step, then a breath, and further steps forward. Painfully uncomfortable for me.

It was more or less consistently like this for the entire two hours we took to complete the trek to high camp. It wasn’t easy, that’s for sure: as well as the struggle over the scree  and rocks, the altitude certainly took its effect on me as well, and I gradually became slightly more breathless with the steps I took.  It was great to finally get there, above the snow line, on a small platform of ice, looking down over the valley of base camp and with amazing views of the various summits of Illimani. The porters had set the tent up for us which was even better, as I was able to move in and rest almost immediately. It looked like we would be the only ones attempting the summit in the early morning, as the only other climbers there were going back down to base camp.

Caleb later radioed to José to say we were okay. I could hear him outside the tent talking with him, and I heard him say that he didn’t think it was possible for me to speak with Nat. I guess this was because I was in the tent and he was outside. I didn’t say anything at the time, though I was a bit annoyed about that. I later asked if possible to radio back to them though he said that the radio at the bottom would have been switched off for the night. Definitely would have liked to have spoken with her before I went up the mountain, and I went to bed with slightly negative thoughts about the climb.

La Paz é uma cidade bagunçada e um tanto caóticas, carros vem e vão a todo instante e respeito ao pedestre é algo que eles realmente não aprenderam na auto-escola. Uma briga de carros e pessoas que vão e volta sem parar no meio da fumaça e da poeira. O barulho de buzinas gastas, motores velhos, carburadores furados e de pessoas falando são a trilha que embala sua estada pelo centro. Para chegar a Calle Illampu, onde fica nosso hotel, passamos por diversos mercados de ruas e barracas vendendo das coisas mais comuns ao mais bizarro. Mesmo com todo esse caos a me esperar não tem como não sentir aliviado em poder descansar. Ouvir a palavra La Paz soa como calmaria, descanso, noites bem dormidas, banheiros limpos, comida quente e variada, acesso a internet e todo o luxo que estamos privados no acampamento. Não que eu não goste de acampar, aqui na Bolívia tem sido uma experiência de dois lados, boas conversas, caminhadas, lindas paisagens mas de outro muita dor de estômago, uma doença que não para e pouca comida. Me anima sempre a cada novo acampamento que vamos, mas a frustração de ainda não ter conseguido um pico me persegue e invade meus pensamentos a toda hora. Tenho consciência que não tenho controle sobre esse mal que anda me afetando e que me enfraquece a cada retorno. A vinda para La Paz me enche de esperança, vir a capital é sempre sinônimo de fim de uma etapa mas também de recomeço. É daqui que começamos e é aqui que terminamos, logo mais uma chance de recuperação antes do Illimani.

A noite saímos para comer no Café Banais, ver o Augusto melhor foi bom, pena que daqui para frente não teríamos mais a sua companhia ou a de Kirk, eles fecharam o pacote de 14 dias que se encerrava essa noite. No dia seguinte partiriam para o Uyuni numa viagem de 3 dias conhecendo o salar, as grutas e as lagoas com flamingos.

Volto para o hotel e não ter nenhuma dor de estômago só me deixa mais animada. Vamos dormir que amanhã é dia de passear e levar os nossos 2 parceiros para conhecer a porte cult da cidade, do outro lado da avenida Perez Velasco tem uma infinidade museus, catedrais e galerias. O destino na verdade era a Calle Jaen a mais antiga da cidade.

Acordamos atrasados para o café da manhã mas mesmo assim conseguimos chegar a tempo. O dia foi cheio como imaginamos e o passeio agradável. Entramos no museu de intrumentos musicais e nos divertimos muito, por 5 bolivianos você pode conhecer um pouco da cultura musical local e tocar muitos dos instrumentos expostos. Depois fomos a um café que fica no fim da rua, onde comemos sanduíches e bebemos capuccino. O Ben e o Augusto provaram Chocococo, que é um chocolate quente com leite condensado, mais gostoso do que imaginei. 

Depois de muito passeio hora de voltar ao hotel e arrumarmos as malas seja pra ir para o Illimani ou para o Uyuni. Uma despedida breve e a certeza do reencontro quando voltarmos da montanha.

Arrumar a mala parece cada dia mais simples, e dessa vez fica fácil saber escolher o que fica no hotel e o que levamos. A noite chega e junto a fome, ligamos para Caleb e vamos ao Lunas, um restaurante bem perto do hotel. Lá conversamos sobre o que nos espera em Illimani e comemos uma lasanha vegetariana. Voltamos para o hotel e combinamos de sair amanhã às 9am.

Agradecimento a Augusto por suas fotos aqui nesse post.

Our journey to Illimani didn’t start out too well when the stomach bug that had hit us returned to affect Natalia. It happened early in the morning we were due to set out and it meant that we had to postpone this journey by a day to give time and hope for Natalia to recover. When we did set off, she did seem a bit better but it was clear that all was not fully well.

Though Illimani appears to be very close to La Paz, the journey there takes a good three-four hours. The roads are incredible: carved from nothing along the sides of mountains en-route, terrifyingly steep drops on the edges; spectacular views and can be good fun to drive on. You can see areas of the mountains where landslides have come down over the road though since been cleared up. The road to Illimani for me at least seemed more treacherous than the Yungas “Death Road”  we had cycled down at the beginning of our journey in Bolivia, with even more tighter corners and falls that maybe were not quite so vertical, but were equally lethal should a driver get a bit carried away. The only reason why the road was not considered more dangerous was because the Yungas Road was a main trunk road and the road to Illimani much less frequently used, so less prone to accidents.

What was amazing that along the road is that you pass so many tiny farms in the mountain, with a few Andean girls tending to crops and animals. It seemed so steep that it would be impossible to do anything there. But they, impressively, managed to make a living there.

Illimani slowly but surely grew larger before us as we went around the continual twists and turns in the road. Every now and then it became obscured by the slopes  but then peaked out in the beautiful weather – sunny, calm, blue skies… it was all set to be perfect climbing conditions over the next couple of days. Eventually the road came to and end in a small village further up in a valley that led to the base camp for the mountain – a camp that was a gentle two hour hike away. Again, splendid views of the mountain through the trees – the mountain looked even more fantastic to climb. A couple of mules and a small boy came along and this time we were able to load our main rucksacks on to them to carry to the camp. So it was set to be quite easy for us.

We got going at a gentle pace, though soon it was clear that Natalia had not recovered properly at all. Her stomach pains returned and in spite of having calmed down over the previous day, diarrhea struck. She kept going though the hike transformed into a four-hour struggle for her. We got to base camp an hour or so before dusk and she pretty much collapsed into the tent once it was set up. It was clear that she wouldn’t be able to continue to the next camp. So it was decided that she and José would remain in base camp: apparently there have been some robberies at the camp and disputes between local communities there make it slightly dangerous (in one dispute, one community had blocked off the stream that went to the other side of the valley and as such the other community put a dead animal in the water of the former…). Probably nothing would happen, though it was for the best. This meant that Caleb and I would tackle the mountain by ourselves, even though Caleb had never gone up it before. Furthermore, we would go straight to high camp in the morning instead of taking a day at Camp I, before attempting to summit in the early following morning. It promised to be a marathon couple of days.

Hora de voltar a La Paz, antes temos que descer até o acampamento 1 e arrumar as coisas. Descer foi tão difícil quanto subir, as botas plásticas escorregam em todo lugar e certeza que umas 4 vezes rezei pedindo pra não morrer, mesmo sendo ateia nessas horas recorro a todos. Vou o caminho todo me equilibrando e tentando tomar cuidado, a cada escorregada meu pensamento vai para o Ben e para minha mãe. Morrer não é uma opção, ainda mais assim tão nova, a cada escorregada José brincava que eu queria esquiar sobre a pedras, eu retribuo a risada e falo que esquiar ali é suicídio e que se eu morrer minha mãe me mata. Ele ri muito e diz que nada vai acontecer.

Vou andando super lenta, e as pessoas vao me passando com facilidade. José se irrita com o fato de eu não ter aprendido a usar crampons e as botas direito, e fica tentando me ajudar. Presto atenção a cada conselho e ensinamento dele, mas a velocidade do meu passo não aumenta.

Tudo bem não estamos com pressa, os outros iam descansar, desarmar as barracas, arrumas as mochilas e descer.

Ao chegar no refúgio, estou morrendo de fome, a última coisa que comi foi a meia noite e já são mais de 16h. Sento dentro do refúgio mas estão cozinhando sopa e macarrão, saio procurando um cheiro neutro, encontro José que tenta resolver meu problema com um copo de chá.

Algumas horas depois os outros finalmente chegam, Kirk compra cerveja e resolve comemorar. Tento beber um copo mas fica difícil. Mesmo assim brindo, tiro fotos e me divirto.

Tudo arrumado, todos no carro, hora de partir para La Paz e contar tudo para Augusto.

The views from the summit of Huayna Potosi were spectacular. We could see the Condoriri mountains with Pequeño Alpamayo; Illimani  was clear behind La Paz… lake Titicaca; Mount Sajama in the distance. It truly felt like we were on the roof of the world. There was a group of five other climbers who shared the summit with us for ten minutes or so, but when the left, it was just myself, Kirk and Caleb. There was not even any wind so there was a blissful silence as we looked over Bolivia. Incredible.

We had a couple of chocolate bars each (these had become our staple energy diets when going up the mountains. Apparently we were easily spending about 5,000 calories each in the course of the ascents); took a few photographs, and packed up to leave. Descending didn’t take too long with the exception of the knife-edge ridge from the summit. Going down was even harder for me than going up, though maybe I was not quite so breathless with each step. I guess in going down, as with Pequeño Alpamayo, we are forced to look at the consequences of any fall… down, and a long way down at that. The wall of ice to our left was a great help as I was able to plunge my ice axe into that every couple of steps and it was nice to have that extra security, but the fully exposed part towards the end, with no ice walls for protection, was again terrifying, but Kirk and Caleb coaxed me along and I was able to maintain my balance. As you can imagine, I was extremely pleased to get to the end of that part.

And yes, straightforward after that – the trail through the ice and snow was quite clear; all the main crevasses were clear either side of this path and no new crevasses opened up beneath our feet, so it was all good. Back to high camp and it was nice to see Natalia and José again, though they were leaving earlier to go down to base camp. We had chance to have a quick nap and some noodle soup before we had to pack our things up to go down. It was heavy work. Going down the perilously slippery rock-ice path with full back packs was tough (no porters); we needed crampons for parts because the snow was quite deep and going down in inflexible plastic mountain boots made it even harder. Then after that, the path just seemed to go on forever until we saw the buildings of the refuge. We saw a group of people on the glacier leading up to the mountain and they were coming down – they soon passed us and apparently this was training that they were doing in preparation for an ascent. José commented to Natalia that in general in Bolivia, inexperienced groups would do this type of training – and it would have been nice if we could have spent time doing it… but ah well, we had managed it anyway.

So back to the refuge; Kirk got us all a beer which was great, then the two hour drive to La Paz, a day’s rest and then, if things went according to plan, to Illimani.

Obrigada Casa de Pedra!!

À meia noite acordamos e tentamos nos aprontar rápido, mas coisa difícil com a barraca uma zona e tudo perdido no meio de tudo. No atrasamos e corremos para tomar um chá na barraca do Caleb. Chegando lá ele disse que sem pressa, para comermos e nos arrumarmos com calma. Granola com leite para café da manhã, mochila nas costas e embracamos em mais uma longa noite sentido ao cume. As mochilas estavam bem leves e não atrapalhavam, eu segui na frente com José enquanto um segundo time formado por Caleb, Bem e Kirk me seguiam. Eu andava muito de vagar seguindo os ensinamentos de Kirk no dia anterior. José sempre atencioso viagiava meu ritmo e me desacelerava toda vez que me via mais apressada. Como não tive nenhuma introdução no uso de crampons, ele também ia me guiando em qual seria a melhor forma de poupar energia. Caleb atrás sempre vendo tudo o que José me ensinava e se intrometia quando achava que não era necessária essa ou aquela técnica. José preocupado com os outros que vinha atrás pedia a todo momento que passassem a frente e nos deixasse acompanhando atrás, o frio é o pior inimigo na subida e pensar que os outros estão ficando mais tempo expostos. Caleb se negava o tempo todo, dizia que era dois times mas um só grupo.

Essa situação me fazia sentir mal, mais uma vez aquela que atrasa o proceso. Tirar esse pensamento da cabeça foi o foco. Andando devagar e com um ritmo constante, mais ou menos 2 horas depois fome e sede já me maltratavam, parei comi um biscoito bebi muita água e recomecei a caminhada. No escuro fica difícil messurar a distância, a altura e ver a trilha. Cada vez colocava um ponto alto como objetivo e chegando nele tinha ainda mais para se andar. No escuro e no meio de tanta neve você perde a noção de tempo, espaço e tudo parece pesar mais, levar mais tempo e absurdamente mais dificil. Várias pessoas desistem e nos passam voltando, o que comprova a dificuldade do que temos a frente.

José sempre improvisa paradas de descanso para mim, dizendo que é melhor parar para deixar outros montanhistas passar. Uma garrafa de água vazia, e começo a pensar que ainda nem clareou e minhas reservas já estavam acabando. Mais uma preocupação para tirar da cabeça.

A cada minuto percebo como a luta é dura, a sua cabeça tenta racionalizar tudo e sempre chega a conclusão que não faz sentido colocar seu corpo em uma situação tão extrema. Seguir em frente é a minha opção e vou caminhando. O ritmo diminui, a força parece estar secando também. As sensações mudam e você se transforma. Seu corpo começa a se euxarir e tenta chamar a sua atenção a todo momento. Primeiro dor na cabeça que segue crescendo a cada passo. Aviso José, que me pergunta se quero continuar, digo que sim, que a dor não é tão ruim. Sigo em frente, começa a amanhecer e as cores do ceu refletindo na neve são lindas. Uma boa distração. Já passamos da metade do caminho,e a subida parece mais ingreme.

Meu corpo começa a mandar sinais de todos os lugares, dor de cabeça forte, cólicas estomacais e exaustão. Mais uma vez hamo a atenção de José, ele me pede para tentar um pouco mais, pedimos que Caleb e os outros sigam em frente enquanto eu só tento. Seria um absurdo mantê-los atrás sendo que não sei mais se vou conseguir. Antes dou para o Ben minhas barras de chocolate e  nos despedimos, digo que vou continuar tentando, ele só me entende e diz para eu não me matar tentando.

Vejo eles a frente e José me chama para continuar. Vou em frente, tento me distrair mas são tantas coisas no meu corpo que fica difícil. A cólica piora e começo a perceber que o meu caminho só pode ser sentido a um lugar com banheiro. Respiro fundo e com muito pesar aviso a José que para mim já era. Ele ainda tenta me animar, dizendo que estamos a poucas horas, mas as minhas condições são as piores pssíveis, e ele entende que seria um perigo para nos dois continuar.

Voltamos novamente para o acampamento, a volta é mais fácil, gentil e rápida. Vamos conversando e nos distraindo. Algumas horas chego a dormir andando e meu querido guia boliviano pergunta se não quero sentar um pouco. Respondo rindo que se fizer isso provavelmente durmo e não acordo tão cedo. Ele me olha preocupado e diz que melhor continuarmos então. Ao chegar no acampamento me deito e durmo umas boas 3 horas. O meu corpo está exaurido de forças e o fato de não ter nada para comer não ajuda. José vem me checar a cada hora. Quando a tarde chega, ele me avisa que os outros estão chegando que vai me deixar ver o Ben e depois comeamos a descer para o carro antes dos outros.

Começo a arrumar as coisas e ouço Ben falando com outras pessoas do refúgio. Vejo suas pernas pela porta da barrraca e ouço pedir papel e dizendo que precisa muito ir ao banheiro. Ele volta depois feliz e cansado. Conversamos um pouco, Kirk vem e me mostra as fotos do pico, mais uma vez ele tirou sua camiseta.

Dou risada e os aviso que vou descer com José na frente.

Todos acordaram cedo e desceram para o café da manhã. Um pouquinho de mingau de aveia. Augusto não parecia melhor e na verdade já avisou que não iria subir, se sentia mal e com dores, e o melhor seria voltar a La Paz. José chega e leva nosso companheiro italiano para a capital boliviana. Ficamos triste com a baixa na equipe, mas temos que seguir em frente, essa noite ainda sairíamos rumo ao cume do Huayna. Mochilas só com o que precisamos, botas plásticas calçadas e era hora de seguir para o próximo acampamento.

A subida era bem íngreme, repleta de pedras soltas, resto de neves da noite anterior. No começo fui indo bem, mas com o decorrer do tempo o ar me foi faltando. Mais uma vez Kirk para ao meu lado e começa a me ensinar técnicas de respiração. A que ele me aconselha em usar é o rest step, você ritmiza sua respiração de acordo com os passos, deixa a caminhada mais lentas mas a respiração mais eficiente. Fico melhor e vou conseguindo, o problema é que estou muito mais atrasada que os outros. No meio do caminho Caleb sugere uma parada e pega parte das coisas da minha mochila pra carregar, manda o Kirk e o Ben seguir na frente e vai comigo mais atrás. Aqui recomeçam os problemas, o guia começa a me apressar e dizer que tenho que tentar criar um ritmo a cada dois passos. Vou ficando nervosa e ansiosa e me perco no ritmo respiratório. Começo a ficar mal de novo, sem ar e ter um colapso, a cada 3 passos uma parada.

Demoro bastante tempo para chegar ao topo e quando chego me sento na primeira pedra que encontro, sento e choro. Ben vem ao me encontro, e tenta me acalmar, explico que para mim não foi fácil, que com Kirk me acompanhando foi fácil porque ele me ajudava, mas já com Caleb foi difícil porque ele me pressiona e daí eu não consigo me concentrar e só consigo me sentir atrapalhando.

Ele me acalma e me leva a tenda, era hora de descansar. Caleb aparece com uma panela de creme de batata com feijão e salame. Como e me esforço para ter calorias e força o suficiente para o que me aguardava em poucas horas.

Up at 12.30am for hot drinks, we thought we were a little late, especially as we still needed to sort out our layers and backpacks for the ascent. As it turns out, when I got to Caleb’s tent to get hot water, we were actually doing pretty well for time and we ended up leaving the camp to the summit at 2am.

There were perfect conditions: the sky was perfectly clear and the stars were fully visible, and the weather was calm without even the hint of a wind. We made tea with the hot water, tea which went down pretty well as in spite of the perfect conditions, it was still around -10C, so quite cold. A thick base layer for both legs and torso; middle fleece layers and water and wind-proof outer shells, with big down jackets in our bags in case we were still cold. Oh and yes, big down mittens as well. Headlamps on… gaiters, crampons… ready to go and off we went – with around 25 other lights flashing in the darkness belonging to others hoping to summit.

The walk through the snow and over the glacier was easy enough. As with Pequeño Alpamayo, I was in the rope team with Caleb and Kirk, while Natalia was with José. They were in front of us and it was clear Natalia was having a bit of trouble getting to grips with the crampons and it didn’t look like she felt too good. Even though Augusto and José had gone effectively separate from us, for some reason we didn’t let them get on with it and we slowed down behind them. I heard Caleb saying some things, seemingly suggestions to help, and also José was saying for us to pass them. I am not sure why we didn’t as José is a more than capable guide.

But okay, we continued on up and a few other groups passed us. Our pace was reasonably good, though and I though that Natalia was doing pretty well considering this was her first time up so high. She had established a decent pace and rhythm and was going well. As dawn approached, however, and as we passed over half way up the mountain, she and José stopped. They started again, though Natalia was clearly uncomfortable. After some discussion and a couple more attempts to keep going, they turned back. It turned out that the stomach problems that almost ruined the start of my time climbing; the same problems that had ruined the second half of Augusto’s mountaineering; had come back to hit Natalia. A real shame as she was getting on so well.

We had no choice but to continue on as José had gone back with Natalia. The sunrise soon lit up the mountains and the snow around us and the goggles I had really did have a tremendous effect in reducing the flare and the brilliance of the light. We drew ever closer to the summit of Huayna Potosi and it was nice to see that there were no steep slopes as there were with Pequeño Alpamayo – though had we gone the direct route, there looked to be a 60 degree climb for anyone brave or strong enough. We instead took the traditional route: going along a path that went past the summit, steadily increasing in height, before doubling back on ourselves to go up the summit ridge.

My favourite part (yes, a lot of irony there!). On reaching this ridge, the first section is completely exposed and less than a metre wide. The fall on the other side: 1,500 metres or so; the fall back to the path below… enough to do a lot of damage. Great. I didn’t have much choice but to walk along it, with Caleb coaxing me along. Not particularly enjoyable. Fortunately, I was not quite so breathless as I was on the previous occasion. After the exposed part, the ridge was built of kind of ice walls which were to our right – stopping any potentially long fall to that side. It certainly eased a lot of the anxiety as it was only the short fall on the left and we were able to use our ice axes to help support as we went along. Half an hour or so later, and we were there, on the summit.

Obrigada Augusto por sua foto!

Mais um dia de decanso em La Paz, e acordamos já irritados com o fato de a água quente ainda não ter chegado ao quarto 206. Descemos para o café da manhã, e de lá fomos pedir um outro quarto para poder tomar banho, a recepcionista me pede paciência novamente e diz que vai mandar alguém. Outro rapaz vem verificar e vê que não tem jeito. Ao descer a recepção novamente uma discussão para a recepcionista nos ceder outro quarto, mas problema resolvido e lá fomos nós ficar limpos antes de começar a arrumação das malas e mochilas.

Nesse dia nenhuma grande novidade. No dia seguinte saímos cedo para o acampamento base do Huayna Potosi, na frente do hotel ao invês de José e seu Land Cruiser 91, estava Miriam a gerente da Agência local, e dois táxis. As malas já tinham ido mais cedo. Alguns quilômetros a frente encontramos o sorridente José e seu carro já todo pronto. O caminho do centro ao acampamento base leva mais ou menos 2 horas, em uma estrada que na minha opinião deve ser a mais nova Death Road. Entre uma curva e outra brincamos que temos que calcular o peso para  lado mais longe do precipício. A poeira e o deserto nos acompanham até um cemitério. Parada obrigatória para fotos. Enquanto o Ben e Augusto se deliciavam com as fotos das mini capelas e louças, eu ouvia a explicação de José, O cemiterio é para os mineradores que morreram nas antigas minas de zinco. Muitos trabalharam lá anos atrás, mas com o preço baixo do mineral acabaram fechando. Mais a frente passamos por toda a estrutura das minas, ainda de pé mas bem deterioradas.

Alguns minutos depois descemos no acampamento, a ideia inicial era acampar mas como tinha muita neve, Caleb optou pelo refúgio. Nos arrumamos em colchões, e Kirk nos convidou para um hiking. A ideia me pareceu ótima e seria uma boa oportunidade para treinar nas botas plásticas. Augusto começou a ter problemas estomacais de novo e decidiu ficar e descansar.

A caminhada por entre pedras foi difícil, não confiava em minhas botas grandes e pesadas, e escorreguei em muitas pedras, nos locais com neve era ainda pior. Com calma e me irritando em alguns momentos logrei chegar ao topo. Ao fim uma pedra lisa e que para mim parecia um escorregador era a parte final. Me neguei em pisar mas com a insistência do Ben e do Caleb encarei o desafio com muito medo. Sobrevivi, mas ainda tínhamos que descer. Kirk me ajudou com as botas, apertou bem no tornozelo e me deu dicas de como seria melhor. De volta ao refúgio cochilamos enquanto Kirk ainda caminhava nos arredores.

Acordamos uma hora depois e começamos uma partida de Uno, todos menos Augusto que não tinha melhorado nada. As regras do jogo me pareciam confusas e Caleb inventava coisas novas que nos deixava com dúvidas sobre de quem era a vez a todo momento.

No fim, o Ben ganhou e tivemos que aguentá-lo se chamando de rei do Uno o tempo todo.

Às 21h, finalmente uma refeição quente, macarrone cheese com atum. Comi um pouco porque não me parecia a melhor comida do mundo. Augusto pulou a refeição e os outros se esbaldaram.

Hora de dormir, amanhã será um dia puxado, a trilha até o acampamento superior prometia ser curta porém complicada.