Archive for July, 2012

Passeio pela Antártica

Posted: July 28, 2012 by Paulo Filho in Uncategorized

Na nossa viagem, depois te já ter rodado 4 continentes, chegaremos na Antártica, que é onde fica o polo sul!

O lugar é bem diferente doque estamos acostumados e é difícil imaginar a paisagem. Também é uma viagem nada barata e por isso com pouco material fotográfico.

É aí que entra o projeto Google Street View Gallery Collection. Este é um projeto do Google que permite passear por lugares como os Alpes Suiços, Israel e a Amazônia.

A última adição ao projeto é a Antártica. As fotos estão muito boas e é incrível o projeto. Dá pra ver fotos de pinguins, de um telescópio, de um centro de ciência e muito mais.

Um dos mais interessantes é a cabana que os primeiros exploradores construiram.

O link para o projeto é: http://maps.google.com/intl/en/help/maps/streetview/gallery.html#!/antarctica

E o vídeo de apresentaçãodo mesmo segue abaixo

One of the options we are considering for the bike tour training is going from Buenos Aires to Santiago, though did not mention initially in our initial overview of the options we are thinking about. This is personally one of my lesser favorites of the ideas we have, but it has definite positives…

Looking down from Cristo Redentor, Mendoza Province (C) Angel Longo

The journey is a good 1550km, so a nice distance – marginally shorter than the journey from the north to south of Britain that I discussed last time. The last three hundred or so kilometers of this journey would be going through the Andes, meaning that there will be very high passes to go through, with the highway getting to around 3000 metres above sea level, and there being optional side-tracking rides going up to 4000 metres, with the Cristo Redentor in Mendoza province. When we finally leave São Paulo on the main expedition, we will be going along at similar heights through the Bolivian and Peruvian Andes.

The roads will be a mixture of asphalt and dusty highways, so not in the best of conditions – again something that we can very much expect along our main expedition route. This will affect our speed and how much distance we will be able to cover each day in manner that would be much more similar to the real journey than perhaps we would find in Scotland.

Furthermore, with the distances between towns and villages in Argentina and Chile much greater than Chile, we would be required to camp without being able access supplies in these areas, so we will have to make sure that we are taking enough with us to be able to survive longer periods. So in this respect it will be more challenging.

Then, there is the price – it will be much easier and cheaper for us to fly from São Paulo to Buenos Aires, and back to São Paulo from Santiago than it would be for us to fly to and from the United Kingdom, and north Scotland in particular. Moreover, as well as being easy to get to, Buenos Aires is a great city; the Andes would be beautiful and it will be nice to get to know Santiago. But back to the point… the cost of this is definitely an important consideration bearing in mind that sponsorship is coming along… slowly, to say the least.

The Road through Mendoza (C) FerroFreddy

My main problem with this route is that for 1200metres it will be flat. Not just flat for a few kilometres or so and with a few hills here and there… but flat. Extremely flat. Okay we are going to have much of the journey which is flat, going through Brazil towards Bolivia… but being flat like this is not so much of a challenge and is pretty uninteresting. Okay, we get to deal with the local drivers, but this doesn’t strike me as too hard (maybe I am underestimating this factor though…?). Also, with this planned for February, we would be in the summer/autumn of the southern hemisphere, meaning that weather conditions won’t be quite as snowy or as cold as that in the photo showing the route in winter. It will be much drier, I believe. Okay it will be good to get us going through drier, dustier conditions but I think this would be easier to train for than the harder, windier, blustery conditions in the UK. Am certainly very open to this route, though I will probably take some convincing – any thoughts you might have are very welcome!

Opção saudável: Sanduíche de Pastrami e salada mista

Desde que voltamos da Bolivia estamos tentando voltar a nossa rotina. Em relação aos treinos o ritmo está ótimo, recuperamos a forca e a resistência bem rápido e a parte aeróbica está melhor do que antes. Na escalada voltamos ao nível de antes e agora é batalhar para superar o 6 grau e chegar logo ao sétimo. O cansaço segue, mas também com nosso ritmo acredito que o estranho seria se o nosso corpo estivesse descansado. A parte mais complicada vem sendo a alimentacao. Comer de 3 em 3 horas tem se mostrado muito difícil, beber bastante água também – tem dias que lembro e bebo outros ao final do dia me sinto culpada com o relapso – para piorar na hora do jantar eu não devo ingerir carboidratos enquanto o Ben sim. Temos que pensar com equilíbrio durante cada refeição e aos finais de semana tentar não desandar por completo. Na montanha consumíamos muitos doces e de certa forma ainda sentímos uma certa necessidade de comer algo açucarado, mais uma vontade a se controlar ou pensar numa forma de satisfazê-la de forma saudável.

Dieta Low Carb: A super sopa não é mais uma opção para minhas jantas.

Esse final de semana tentei pensar em como conciliar trabalho, treino e posts e ainda assim me concentrar para poder voltar com a nossa antiga rotina alimentar, acredito que o site, a fanpage e o twitter podem ser grandes aliados. Por isso a partir de amanhã contaremos com você e a sua ajuda nessa etapa. Fique a vontade em nos dar dicas, cobrar, perguntar e comentar o nosso diário alimentar.

O bom para vocês é que vou poder dar várias receitas gostosas, saudáveis e facéis. Espero que isso seja uma boa forma de agradecimento por vocês nos empurrarem nessa empreitada.

Thanks Google Street View! – The A82 from Glencoe

Looking at the cycle tour options for our training, and now more closely at the ride from the northernmost to the south-westernmost points of mainland Britain (maybe via London or through Wales… ), and it is very easy to see why this 1000 mile / 1,600km journey would be a good training tour.

A rough idea of what the route through Britain could look lie

The British weather is infamous for being well… bad. Going through the Scottish highlands in February would be bitterly cold, wet, windy, snowy… To be honest, probably the rest of the country will have quite attrocious weather as well! They won’t be the nicest of conditions around, and this is something that we want: basically to try and replicate conditions that we might face along our main expedition route. We will also look to do a lot of camping during the period (especially in the north) – something that is great to do in the UK, rather than staying at hotels or guest houses – again to try and prepare ourselves for the reaities of the actual expedition.

We have to look at exactly which route we would take, but in the Scottish highlands there will be good scope for training up and down mountain sides. Okay the highlands haven’t got the highest mountains in the world, and the Lake District in northern England even less so… one might not think of the Cornish hills as particularly hard either…. however, just because they are low in height doesn’t mean that they are not hard, and it is not without good reason that himalayan mountaineers train a good deal of time in Scotland.

In looking at central Scotland, just east of the rough route highlighted on the map,  lie the Cairngorms, and the Cairnwell pass at 670metres would be a nice example. On the western side of the country, the road from Invergordon to Glasgow, through Fort William is pretty tough, going over some pretty desolate and exposed passes and seeing a good amount of altitude gain and loss over the days.  Down into England and going through the Lake District will also be nice and hilly as well as pretty beautiful scenary.

Going further south and things will be generally more plain sailing – relatively flat, especially after the north. If we were to choose to go via London, this would be a relative cruise, with plenty of villages, towns and cities to stop off at on the way to recharge. Wales on the other hand would be much more mountainous and present similar challenges to those faced in Scotland. Down in Corwnwall, there will also be more steep hills to navegate up and down. Overall, the journey has a massive potential to be a lot of fun and… hey, cycling the length of Britain isn’t something that one does every day.

On the negative side, while there will be plenty of challenges, in comparison to going through the Andes, the altitude gain/loss will be relatively low. Furthermore, going through the Andes would helps us in terms of getting used to cycling at the heights of 4000metres or greater….but this is something we will go into greater detail in posts to come…

A ultima reunião nossa do 360 Extremes foi super proveitosa. Primeiro nos encontramos com a Mariane e a Cristiane, duas produtoras que trabalham escrevendo projetos para leis de incentivo a cultura e ao esporte respectivamente. O que nos parecia simples virou numa enxurrada de perguntas e um monte de coisa pra se pensar e correr atrás. A questão é que o projeto é grande e longo e formatá-lo para se encaixar nos parâmetros vai levar tempo. Depois de ouvir e falar muito com as meninas, saímos e paramos na primeira padoca que vimos e sentamos para conversar sobre coisas a fazer e ideias.

A correria aperta a cada dia, temos muito a fazer. Nos focamos em determinar quais treinamentos são os mais essenciais. O que se mostrou complicado, porque é difícil mensurar o que fazer um treinamento de sobrevivência polar ou uma viagem longa de bicicleta em lugares frios ou no deserto. Conversa daqui e conversa de lá, decidimos que se dependermos de tempos das férias do nosso trabalho faremos um curso de sobrevivência polar e uma longa viagem de bicicleta.

Daí surgiu a ideia de incluir vocês nessa escolha num momento você decide.

Pensamos em algumas rotas que seria ótimas para nos dar experiência e melhorar a nossa técnica, além de nos prometer lindas paisagens. E vocês vão poder nos ajudar a escolher entre o que pensamos e até mesmo nos dar sugestões. Para te ajudar vou dar uma explicada em nossa rotas.

Patagônia –  aqui do lado o que nos facilitaria em termos de dinheiro e tempo para chegar ao ponto de partida o Ushuaia. Partiríamos sentido Punta Arenas ou Puerto Deseado, as duas rotas se diferem por uma ser mais recheada de relevos e a outra ser mais plana. O clima será frio e as dificuldades seriam os ventos, neve e a qualidade das estradas.  Passaremos pela Patagônia durante o 360 Extremes, e seria legal conhecer pessoalmente um trecho e as dificuldades que encontraremos daqui um tempo

Reino Unido –  partiríamos do Norte da Escócia indo até o sul de Londres, uma viagem de 1100Km. O clima em toda essa área é ruim e instável. Em alguns lugares a sensação durante o dia é que se passa pelas 4 estações. Apesar de não passarmos por lá durante o projeto, essa condição climática nos prepararia para trechos da Ásia como os Himalaias. As estradas não seriam problemas e as opções para dormir seriam diversas.

São Paulo – Buenos Aires : apesar de ser na maior parte plano as péssimas estradas dariam muito trabalho nesses 2km.

Sabemos que existem diversas viagens e treinos de bicicleta nos EUA, Canadá e Europa e por isso que queremos saber da sua opinião e se tem outras dicas. Então vota aí!

So we are in need of a little bit of help here and your thoughts would be welcome…

We will be doing a lot of cycling over the next couple of years to get to a level of fitness and technical awareness so that we are able to cycle the massive distances that we plan to. The cycling will be largely over weekends so we will work on various routes in and out of São Paulo, so that we are able to comfortably go on rides of 100km per day…

We are also planning a good 30 day cycling tour in December 2013… Yes, a long way away, but time is flying and already over 8 months have passed since this whole plan started to get taken from the drawing board and into a fixed plan… pretty much unbelievable really. The tour will also help us get used to cycling together for a sustained period of time.

The question is, however, where…?

The two places we have shortlisted so far (and we are open for more suggestions…) are: Patagonia and Britain.

Patagonia would most likely be less expensive to get to. It would be great to be cycle straight from São Paulo, though it would be over 5,000 kilometres and slightly impractical with our time constraints, unfortunately! So, the route we would (most likely) choose if we were to go here is a 700km journey from Ushuaia to Punta Arenas, though it could be extended to go to some of the islands down there, such as south and over the channel to Cape Horn… could be interesting. Another option would be instead of going to Punta Arenas, going to Puerto Deseado – something that would add on a good… 600km of what would be largely flat land. Either way, definitely not on one’s normal every day calendar. Assuming 50km per day on average (a very generous and pretty slow rate – assuming that conditions are not going to be kind to us even though this would be summer there) plus a couple of days rest here and there, this would be a good 16-22 days depending on the exact route. Also, we would all love to go down to Patagonia (though of course we will be going through it when we come back from the South Pole).

Britain – something more familiar to me (and it would be nice to be able to see friends and family there again, that’s for sure!)… My idea would be cycle from the north of mainland Scotland down south to London – a 1100km journey. Or maybe even the longer route from Thurso or John o’ Groats to Land’s End (via London). I think it would be challenging: weather in winter in Scotland (and of course Britain as a whole) can be terrific – as in incredibly bad! And incredibly variable. I am pretty sure we will face many days in which there will be four seasons in one day. The roads would be in good condition and would most likely enable us to go at a reasonably pace.

Plenty other long distance rides we could do – perhaps São Paulo to Buenos Aires (2k kilometres but much easier flight-wise) could be an option, but it is pretty flat. United States would have plenty of good rides, I am sure, as with Canada… so anyone know good long, challenging rides, there which would be good, feel free to say!

We would want to do the journeys with bikes packed with similar weights to what we will be going with once the expedition starts, so pretty heavy (also helping to explain the slower than perhaps expected pace normally imagined). We will be looking at and discussing the two routes more closely over the next few weeks as we make up our minds, and your thoughts about the ideas would be extremely welcome. Who knows, maybe even be able to catch up with you along the chosen route!

Os altos e baixos do Audax. Foto: Vitor M.

O tempo passou, já consegui digerir toda a informação, e está mais doque na hora de eu contar aqui como foi a prova de 300km que participei.

Recapitulando rapidamente para quem não leu o meu post pré-prova. Audax é uma modalidade  de ciclismo não competitivo onde o objetivo é percorrer longas distâncias de uma maneira totalmente autossuficiente.

Para participar da prova de 300km, é necessário ter feito uma prova de 200km no brasil ou em qualquer parte do mundo, desde que essa prova seja homologada pelo Audax Club Parisien. Eu tinha feito o Audax 200 no final do ano passado. Finalmente tinha chegado a hora de fazer os 300.

Vistoria e entrega do Termo de Responsabilidade.
Foto: Vitor M.

Fui com meu amigo Rafael Taleisnik de carro, na sexta feira pra lá. O Rogério Polo, da organização, sempre convida os inscritos para um jantar de confraternização na noite anterior à prova. Dessa vez seria em uma pizzaria que o pessoal já conhecia e gostava. Acabamos chegando lá meio tarde e o pessoal já estava de saída. Mesmo assim dividimos uma pizza, tomamos algum vinho e depois fomos para o hotel dormir.

O quarto do hotel era bem bom, e como estavam hospedados nele um razoável número de participantes do Audax, eles anteciparam o café da manhã. Como a largada é as 07h00 tomamos um bom café da manhã as 06h00 com muito pão, queijo e suco.
Nos dirigimos à Prefeitura de Holambra, onde aconteceria o Brieffing da prova, a vistoria e a largada.

Manhã de sábado em Holambra. Foto: Vitor M.

No brieffing, o Rogério explicou alguns pontos mais complicados do trajeto. A vistoria acontece para que todos os participantes estejam de acordo com o regulamento, isto é: Todos precisam estar com farol dianteiro branco na bicicleta que provida uma boa iluminação, uma luz traseira vermelha e vestidos com um colete refletivo e capacete. Nesse momento também se entrega aos participantes uma espécie de “passaporte”. Esse passaporte é necessário para que se possa comprovar, através de carimbo que o participante passou em todos os PC’s (Postos de Controle).

A neblina na hora da largada estava muito forte, e o frio não chegava a me incomodar tanto, mas estava ali presente. Foi muito bom eu ter ido com Manguitos, que são apenas mangas compridas que se usa por baixo das mangas curtas da camiseta de ciclismo. Outra coisa que veio a calhar, foi que quando eu fui para a casa do Rafael em São Paulo, esqueci minhas luvas em casa, e ele acabou me emprestando umas de dedo inteiro, as minhas não cobrem as pontas dos dedos.

Comecei pedalando num ritmo bom, algo em volta de 25km/h. Estava me sentindo disposto, com energia, relaxado e feliz. O caminho até o PC1 era de 48,6km, e fiz sem dificuldades. O

Neblina durante o início da prova.
Foto: Vitor M.

Rafael logo depois da largada, percebeu que tinha esquecido os óculos de sol no hotel e voltou para buscar. Cheguei no primeiro PC as 08h53, comi e bebi bastante gatorade, nessa hora a neblina já começava a se dissipar e o sol aparecer. Quando estava pronto para sair, vejo o Rafael chegando, então resolvi esperar ele durante um tempo de forma que seguissemos juntos por um trecho. Estávamos pedalando agora na rodovia Anhanguera e o tráfego de caminhões era intensomas nada que prejudicasse a experiência. Agora eram mais 76km até o próximo PC em Porto Ferreira. O sol já estava quente, o tempo seco, e eu continuava rendendo bem. O trajeto todo até agora, possuia vários postos onde era possível reabastecer as caramanholas com mais água, mas como eu nessas pedaladas longas eu levo duas caramanholas grandes, não senti necessidade de reabastecêlas, conseguia chegar no PC sempre com um restinho de água ainda. Isso mesmo seguindo a máxima “Coma antes de sentir fome, beba antes de sentir sede.” Quando cheguei no PC2 12h43 o sol estava a pino, o calor era muito forte, e resolvi mesmo assim não tirar os manguitos pois esses estavam me protejendo também do sol. Uma queimadura nos braços não ia ser nada confortável, e com o suor e o vento o protetor solar não segurava durante muito tempo e eu não queria ficar parando para passar mais protetor solar. Nesse PC2 conheci o Paulo Piacitelli e o Rosevaldo, dali em diante seguimos mais ou menos juntos. É sempre bom ter alguém pra andar junto, além de mais seguro, é sempre bom ajudar e contar com ajuda no caso de uma necessidade. A altimetria do percurso até então era de muitas subidas e descidas, mas as pernas respondiam e o ritmo era bom.

Estrutura de um PC.
Foto: Vitor M.

Entre o PC2 e o PC3 foi sem dúvida o pior trecho, o calor era intenso, a as subidas não tinham mais fim, eu estava usando um pedivela compacto 50×34, mas o cassete não era o idela para uma prova tão longa, era um 11×23. No caso de pedivela, quanto menor o número de dentes, mais leve é a marcha, e no cassete é o inverso. Muitos dos participantes, usam cassete com o maior pinhão com 32 dentes, é uma bela diferença. Esse trecho era na SP215, canaviais dos dois lados, e por mais que o perfil altimétrico me diga o contrário a minha impressão é que eram 51kms sem descidas, hora pedalando no plano, hora subindo ladeiras sem fim. Pela minha relação pesada, eu subia mais rápido que o Paulo e que o Rosevaldo, mas esses logo me alcançavam nos trechos planos. Nesse trecho só havia também um posto no caminho, resolvi parar para trocar a água por uma mais gelada e acabei também tomando um picolé de limão para dar uma refrescada. Cheguei no PC3 15h58 desgastado pelo sol, mas ainda disposto eram já eram 175km acumulados. Ali comi bastante, tomei bastante água e Gatorade. Fiz uma pausa um pouco mais longa, em torno de 20minutos e seguindo conselhos do Richard Dunner, ciclista muito experiente, saí dali para tentar chegar no PA antes de escurecer.

Anoitecer na estrada. Foto: Paulo Filho

Entre o PC3 e o PC4 seriam 80km, então a organização resolveu fazer um PA entre os dois. A estrutura é basicamente a mesma de um PC, mas não há controle e a parada é facultativa. Resolvemos parar, o Paulo Piacitelli tinha sentido a pressão baixar e resolvemos nos alimetar bem e comer alguma coisa quente e tomar algo diferente de agua e gatorade. Por ali ficamos uns 40minutos, descansamos e partimos. Já eram 223km acumulados, mais do que qualquer pedal que eu já tinha feito, mas estava bem contente com meu desempenho. Com 250km acumulados comecei a sentir dores fortes na parte inferior do joelho direito. As dores eram bastante fortes e comecei a pensar se realmente conseguiria completar a prova. Nessa hora comecei a ficar um pouco para trás, e pedalava sozinho. Pedalar na escuridão também era novidade para mim. Eu usava um farol Cateye bom no guidão da bicicleta, uma outra lanterna presa no capacete e outra de 4 leds pequenos presa no garfo da bicicleta. Mesmo assim, o desempenho na subida já não era o mesmo por conta do cansaço e também não conseguia compensar nas descidas, já que não conseguia ver muito a frente e tinha medo de um buraco ou qualquer outro obstáculo na via. Esses 15km para chegar no PC4 foram dificílimos para mim.

Perfil altimétrico da prova. Mais de 3000m acumulados em 301,5km

Quando cheguei no PC4 eram 22:00 e logo depois de dar meu passaporte para o Daniel Labadia carimbar, avisei este que não prosseguiria, que estava com fortes dores. O Labadia, me aconselhou a tentar, dali para frente eram só mais 34km, e ainda me repetiu a famosa frase de Lance Armstrong “A dor é passageira, o fracasso é eterno”. Nessa hora tirei o celular do bolso e tinha mensagens de amigos me incentivando e uma mensagem também do meu pai “Força para completar”. Meu pai já participou de várias provas de corrida e de algumas maratonas, ele sabe então oque é superar os limites do corpo, e considerei então continuar a prova. Ness hora um outro paricipante, o Ricardo me deu um comprimido para dor, tomei e segui viagem.

Gambiarra que fiz para prender o corta-vento no selim.
Foto: Vitor M.

Apesar de ter saído desse último PC mais uma vez com alguns amigos, logo fiquei para trás. Apesar de já estar vestindo um bom cortavento, nas descidas sentia muito frio. Na estrada, no meio da noite, descendo ladeiras a 50km/h o corpo tremia tanto de frio que dava medo de cair de tanto tremer. Nas restas e subidas joelho doia e as lágrimas escorriam. Eram lágrimas de dor e de felicidade, porque percebi que ia sim completar a prova, não no melhor estado mas ia. O meu psicológico estava bom, na verdade não me faltavam pulmões e nem músculos, oque estragava tudo era o joelho direito, que me castigava, e fazia com que a perna esquerda mais acompanhasse o movimento do pedal do que realmente pedalasse. A perna esquerda fazia 75% do trabalho. Continuei pedalando e quando vi finalmente o moinho que me provava que finalmente tinha chegado em Holambra novamente senti muito alívio, dali foi só mais uma subidinha até a prefeitura. O tempo máximo para completar o Audax 300 era de 20h, fiz em 17h29. Dei meu passaporte para sem carimbado e segui pedalando até o hotel. Lá o Rafael já estava dormindo, ele tinha feito a prova em 15horas mesmo com um queda. Tomei um banho, já era 01h00 da manhã, podia dormir tranquilo, metas compridas. Domingo foi dia de tomar um bom café da manhã e voltar pra São Paulo. Posso estar errado quanto a isso, mas acredito que tenham sido queimadas 17000 calorias em um único dia, e ingerido um bom tanto de outras, a minha lista aproximada doque comi é:

Comida que levei no bolso da camiseta

4 barrinhas de cereal
2 waffles de mel
3 mini paçoquinhas
4 pastilhas de eletrólitos
8 litros de gatorade
2 litros d’agua
1 pão de queijo grande
4 pães de queijo coquetel
1 saquinho de proteina em gel mastigável
1 saquinho pequeno de amendoim japonês
1 sorvete de limão
1 misto quente
1 schwepps
1 dipirona sódica
8 sanduichinhos de bisnaguinha

É incrível o quanto consegui melhorar minha técninca de pedalada em apenas um dia. Durante a prova você se acha na bicicleta, passando as marchas cada vez com mais naturalidade e confiança. Mais uma vez, superei meus limites. A recompensa é pessoal e inexplicável.

As fotos do post são em sua maioria do amigo Vitor M. – Seu trabalho pode ser visto em http://www.vitorm.com.br

Ontem à noite foi um dia fora do comum, em vez de sobe e desce na academia sentamos num Crash Pad, sob nossas cabeças um boulder e escaladores que como nós escolheram ouvir a escalar. O tipo que falava não era alguém famoso, ou conhecido por mim e pelo Ben, mas todos prestavam tamanha atenção que sentimos que ele devia ser importante nesse meio. A maior parte do tempo ele nos explicava os estudo que fez sobre os treinos e efeitos da escalada no corpo, de seus experimentos com seus competidores, e de seus métodos em desenvolver treinamentos. Explicou também como pequenas mudanças de comportamento na parede economizavam energia e com a ajuda de reportagens e artigos baseados em seus estudos foi esclarecendo dúvidas que nem sabíamos que tínhamos. O dono da palavra foi Rômulo Bertuzzi, se você é tão desinformado quanto eu segue um breve currículo: professor e pesquisador da Universidade de São Paulo. No mestrado defendeu uma tese sobre a reestruturação de um modelo matemático proposto no início do século passado. Sua tese de doutorado intitulada Estimativa dos Metabolismos Anaeróbios no Déficit Máximo Acumulado de Oxigênio foi laureada com o prêmio CAPES. Como treinador trabalhou com os escaladores André Berezoski (Bele), Thaís Makino  e Cesar Grosso.

Existem coisas que devem ser básicas para quem é um treinador ou educador físico, mas que para nós pessoas atletas esporádicos e esportistas iniciantes não são conhecidas ou até mesmo um grande ponto de interrogação e por isso aqui vou tentar esclarecer o que me foi esclarecido ontem. Um treino completo deve trabalhar resistência, potência, agilidade e força, incluir trabalhos aeróbicos e anaeróbicos, descansos que devem ser calculados corretamente para não causar uma exaustão ou um lesionamento. Ouvindo tudo isso e lendo agora penso ” Meu Deus, é muita coisa!”, depois que o susto passa você entende que alguns itens se misturam de certa forma. O que é preciso é saber focar cada coisa em seu devido momento, e também não deixar outra de lado. Num ciclo de treino de força não deve se deixar a força sem trabalho porque senão você melhora um e perde o outro. No nosso treinamento ainda temos que incluir a técnica na escalada, no ciclismo, na caminhada e em tudo mais que queremos fazer durante esse projeto.

Hoje é um novo dia mas todas as ideias e as observações apontadas por ele rodam a minha cabeça, e sei que se quero estar pronta preciso conversar sério com o Fábio, tem muitas coisas que sinto falta agora, e que tenho certeza que ele deve estar pensando também. Hoje na Casa de Pedra nos encontraremos pra treinar e pra conversar sobre como trabalharemos daqui pra frente.

Now that we are back from Bolivia, we have a good nine months or so before our next major training project: three or four weeks up in the Arctic Circle doing polar training with Northwinds – a Canadia firm specialised in organizing training for people about to go on expeditions to the North / South Poles.

Northwinds Arctic – consultancy, polar guides and trainers

During the training we will be working on aspects such as back country skiing; more about layering; tents in the arctic; dealing with factors such as frostbite and common injuries… navigation at the poles… (crossing 2000km of white wilderness where you want to go to the geographic north pole rather the magnetic north pole isn’t quite so easy…!)… communications… dealing with polar bears… kite skiing… and much more! It looks like it will be a lot of fun, but it will be hard work and essential. Our expedition is going to take us to environments which will be completely alien and hostile to us: environments where success is not guaranteed though only can be possible with thorough and complete preparation. So this training there will most likely not be our last!

In the next nine months or, however, we need to work more on our physical fitness and also with… considering we will be cycling the vast majority of the journey, through the Americas and through Asia… cycling…!

Surly Long Haul Trucker – minus the front and back baggage racks

Paulo has a massive amount of experience cycling – he is regularly cycling 200-300 kilometre rides, which is one of the reasons why it is great that he is on board with us. We, however, have limited, more casual experience. The Yungas Road was a great ride, though it was all down-hill and it was without any serious weight. With out project we will need hybrid expedition bikes – The Surly Long Haul Trucker looks to be a great bike for our purposes so we will most likely acquire ourselves these next year when we are in the United States. In the next week or two, we will get ourselves slightly less expensive bikes just for training and getting used to long rides here in São Paulo (and hopefully avoiding any accidents with the crazy drivers on the roads here… a challenge in its own right). Hopefully we will be riding the 300km journeys with Paulo quite soon…

All this as well as continuing our climbing, hiking, physical training (pulling heavy tires along beaches will be included in this as we get into shape for pulling heavy 60kg sleds across ice)… more mountaineering projects (we are planning for Aconcagua next year as well as returning to Bolivia)… wilderness survival and medical training…

Plenty to do…

Todo começo de atividade é de certa forma complicada, porque o gostar nem sempre basta e incluir na sua agenda um esporte exige muito mais que vontade. Desde pequena sempre pensei que tempo é questão de prioridade e isso é uma verdade porque cada coisa que você prioriza acaba chamando outra prioridade e outra e outra que no fim é complicado organizá-las.

Com esse projeto conseguimos incluir a musculação e a escalada em nossos treinos semanas, hoje a bicicleta é um dos nossos focos e já estudamos como fazer dela um treino constante. São Paulo não é a cidade mais amiga dos ciclistas e pegar a bike ra ir e vir pela cidade não me agrada muito, o Paulo que já é um apaixonado pelas pedaladas treina 2 veze por semana na ciclovia da marginal e faz viagens aos fins de semana, enquanto eu e o Bem ainda temos que comprar a nossa. Mas calma, iremos comprar até o fim deste mês. É que nem sempre a nossa conta bancária e nossas vontades estão na mesma página, ainda mais agora depois da Bolívia. Agora antes mesmo de ter a bike já tentamos bolar um esquema. Pesquisando passeios na internet achei diversas opções legais e queria compartilha-as com vocês, quem sabe alguém também está incluindo ciclismo em suas atividades.

No site da WDE (http://www.wde.com.br/bike/passeios.htm) tem uma matéria muito legal ra quem mora aqui em São Paulo Capital orque tem um calendário semanal falando sobre diversos grupos de edaladas e passeios, com dados como horário de saída, percurso, nível dos ciclistas e tempo de passeio. Existem gruos para iniciantes, para quem gosta de velocidade, pra quem gosta da madrugada para pedalar e trlhas mais longas aos finais de semanas.

Já no www.ondepedalar.com existem grupos de todo o aís e dicas de competições, esse site funciona como um guia de cicimo em geral, dando dicas sobre bike, ensina como montar uma, mecânica online e por aí vai.

Se você estiver querendo começar a viajar ou até mesmo fazer trilhas, se prepare antes. Bicicleta exige bastante dos musculos das ernas e de condicionamento aeróbico, então treine antes de se arriscar na estrada, porque você pode sofrer exaustão e exigir de mais de seu corpo. A experiência que poderia ter sido maravilhosa vai se transformar em tortura por pura falta de planejamento sua.

A ida a Bolívia foi a primeira de muitas viagens de treinamentos que vamos fazer. O porque dessas viagens é muito simples, aqui no Brasil não conseguimos nos preparar para os polos e para o frio que iremos enfrentar.

Aqui conseguimos melhorar nossos conhecimentos em ciclismo, escalada, trekking, nadar em mar aberto e todos os outros esportes de verão que podem contribuir nessa empreitada.

A próxima viagem está praticamente marcada, entre fevereiro e março de 2013 iremos fazer um curso de sobrevivência polar no Canadá . O curso envolve:

– Como andar no polo norte, e se guiar.

– Kite ski.

– O que fazer em um ataque de urso

– Como carregar alimento, barracas e outros equipamentos

– Entre outras coisas

Conhecemos a Northwinds – a empresa que dá o curso, em pesquisas via internet, e na verdade também não temos tantas opções de escolha. Eles também dão o curso na Noruega, mas lá não nos daria tantos conhecimentos em relação ao polo norte. Em compensação a papelada de vistos seria muito mais fácil.

A grande vantagem de ser no Canadá além de o curso ser mais completo é a possibilidade de encontrar a minha mãe em Winnipeg e toda a minha família canadense, depois de tantos anos ela e eu cá a saudade ainda aperta e nada como ter a mamãe por perto na hora de papear e pedir conselhos. Tudo bem que quando estamos juntas discutimos e brigamos muito mas eu no fundo devo me divertir com isso, acho que toda esse conflito é que deixa essa relação tão viva. Eu e ela somos cheias de razão e sempre achamos que estamos certas, e por isso brigamos porque somos muito parecidas.

Em Winnipeg poderíamos treinar ski cross country, andar de bike em condições que não temos aqui e nos aventurar por esse mundo gelado que não sabemos muito sobre.

 Antes disso precisamos melhorar muita coisa aqui em São Paulo, a musculação e os exercícios aeróbicos tornaram a prioridade no momento e o foco na escalada é o treino de guiada. Muita gente não entende o porque da escalada, mas esse é o tipo de exercício mais completo do nosso treino: usa força, resistência, nos obriga a ter numa respiração melhor, agilidade  e temos que tomar decisões em situações estressantes.

Também queremos separar finais de semana para ir à praia treinar caminhada puxando pneus pesos e assim trabalhar musculaturas para os polos, introduzir natação no mar e quando tiver tempo fazer um curso de surf, quer dizer pelo menos eu quero, certeza que passaremos por lugares na América Central que um surfista aproveitaria mais do que 3 ciclistas.

Os próximos seis meses serão puxados muita coisa pra fazer num prazo curto de tempo. Correr atrás de patrocínio, aprovação na lei de incentivo, treinar, treinar e treinar, divulgar melhor o projeto, fechar o roteiro e as estradas para aí começar uma pré-produção dos lugares que passaremos, editar os vídeos de treino e da Bolívia…. Aí cansei só de escrever, o pior que agora cansaço é um luxo que não temos. Pelo menos não agora.

So after a month in Bolivia it is finally back to the daily grind of what seems like five jobs – the day job and then working on the 360 Extremes project with training, sponsorship hunting, planning… the first week back and it was straight to the gym, and on the Sunday even back to Salesopolis for more rock climbing (completing grade six (5.10) climbs on the rock is always nice! Especially after a month away from it. More gym last week and then this weekend, I guess energy levels dipped completely it was a full rest, with just more planning and leisurely strolls down Paulista Avenue as well as a bit of cinema. I figured that after the last month and a half, a break would be nice. At the same time, I miss the mountains and it will be nice to climb another one soon… the problems with living in a country which relatively low and flat. 

High altitude climbs…

We are definitely feeling the effects of the training, however. I must have lost at least 3kg from the time in Bolivia – people keep commenting that I look much thinner, and indeed, I do need a new belt as there are not enough holes in my current ones to keep my trousers comfortably up – without a belt, I can easily fit a hand between my waist and the trousers, so there is a potential for embarrassment should I forget it! It is great for climbing though as I do feel lighter which helps. Also, I guess coming down from the high altitude, my breathing when I am running is better – I feel much more comfortable running for longer and don’t get breathless so quickly. Our nutritionist thinks that I might have lost too much weight too quickly and that I lost some muscular weight rather than just fat… which could very much be the case.  Burning muscle for energy is never good as you become more tired more quickly.

The training in Bolivia was meant to help us not just with mountaineering but also with working in difficult conditions that were challenging in ways that neither of us had experienced in any way: when we leave São Paulo in 2014, we are going to encounter situations that are going to be tough, so the challenging nature of these training projects will help us deal with them. Also, it helped us evaluate ourselves, physically and psychologically, in terms of what we need to do before we leave.

In assessing where we are… physically, we are doing well though definitely need to continue and build on our training. Walking up those mountains was exhausting! Okay, altitude was a massive factor (less than half the levels of oxygen than at sea level) and this was our first time at such altitudes… but to be in even better conditions to deal with this will be essential. At the Antarctic, we will be reaching altitudes of 5,000metres – in an even colder environment…. And there is a steep walk up from McMurdo to the plateau… And we will have even more weight.  I was proud of my own achievements in forcing myself to pretty much my limits in going up those mountains, and also in recognising when to turn back at Illimani… again, learning points for the expedition as a whole as safety is paramount. Better trying, turning back and trying again than killing yourself by pushing yourself too far.

Effects of illness

Illness affected our climbing – and indeed, dealing with illness is something that we will need to be prepared for: if none of us gets ill over the course of the three years, traipsing through the tropics and across the Poles… this would be a minor miracle. The importance of rest and the right treatments (not using antibiotics when we don’t need for example) again can’t be understated.

This also brings in the factor of food… the body finds it hard to digest food at higher altitudes though it is important to maintain high calorie intake in such journeys. With our guide being the guide and the cook, we certainly weren’t eating enough, regularly enough as we were dependent upon him. More varied snacks (not just twix and snickers) will definitely be important. Also, eating enough at regular intervals will help ensure that as little muscle is burned by the body for energy as possible. Lesson noted.

Psychologically, in terms of determination and working as a team, getting up early, going on the long hikes with heavy bags that seemed even heavier in the higher environment; moving onwards in spite of becoming physically drained… I might have snapped at Natalia once or twice, and vice-versa, but in general everything went pretty smoothly. Yes, I think we can give ourselves pats on backs… though this was only a month-long expedition, with breaks in La Paz every now and then; more time together on longer projects will be very important to making this whole plan work. 

Determination, however, isn’t something I am worried about too much – all of us are really working hard towards this project. I like to think that after 60 days traipsing toward the North Pole, with only each others’ company, I will still be saying this!

For more about our time in each of the places, see our posts…

The Yungas “Death”) Road (English) / (Portuguese)

La Paz (English) / (Portuguese)

Salar de Uyuni (English) / (Portuguese)

For more about our time in the first few Bolivian mountains, see our posts about:

Condoriri

Pico Austria

Pequeño Alpamayo