Archive for December, 2012

IMG_0010Aside from not being the easiest place to get to by biking, Pousado Paiol was great. The price was very reasonable, there is a swimming pool, and the food at dinner and at breakfast was superb. There was even a sauna room as well, but we were just there for the night with no plans on staying too long in the morning… The only problem is that here in Brazil there are three or four different types of power sockets, and the place had only the newest ones… which were not compatible with the charger I was using for my phone and GPS… Note to diary: remember adapter next time.

IMG_0004We did, however, stay longer than we should have, as we needed to work out how to mend the baggage rack on my bike so it didn’t keep falling on top of the wheel. We managed it, by taking off the front bag from the handlebar bag on Natalia’s bike, which wasn’t being used to carry much, and use the screws to secure the bottom of the rack to the wheel. We were able to use one of the screws on one side, but the second didn’t fit on the other, so we transferred a few of things from my panniers into Nathalia’s so as not to have too much weight in a fragile setup. It worked, though.

The problem  was that this all took a bit of time and we ended up leaving the place at around 10am. We thought we would be alright as we didn’t have so far to go on this day – around 65km. However, when the sun was as hot as it got on that day, even the shortest of distances become exhausting. Especially when there are long… endless stretches going uphill. The GPS ran out of battery after 27km, though looking at the readout afterwards, it started off at 30C and ended up 40C, with a peak of 44C – this was before midday and before the hottest part of the afternoon. Which, when we saw one of those signs indicating that there was a steep uphill over the next four kilometres, was soul destroying! The climbs were not the hardest in the world – definitely not as steep as going up Santa Ines into the Cantareira mountains that we did on the previous day – but they were exposed to the sun, with few trees and little shade for long stretches. So everywhere we did find a big tree, we would stop and pause, and drink water to make sure we didn’t dehydrate.

The town of Morungaba was a welcome pit stop after a nice descent – we stopped at a biker’s bar (not cyclists; motorcyclists) and we just parked our bikes alongside some ultra-powerful, fast and modern racing bikes that were about a gazillion CC or something like that. Not at all out of place, but ah well. The people were nice and the extra litres of water and Gatorade, along with some cake  for a bit of a change from our  energy blocks, was extremely welcome. After the town, however, it was still painful with more uphill in the afternoon heat, even though only 20km between the town and Amparo. It just all seemed endless, and there was no decent hard shoulder to go on. We thought it was over when we knew we were getting closer to the city and there was a sign saying 4km of steep descent… which there was, and it was great… just we got down it all too quickly and… then more uphill.

Finally we got there – after this final climb, there was a fantastic descent into Amparo. So much easier! Shame there were no buses back to São Paulo, but it gave us chance to catch up with some of Natalia’s family in the town (with a fantastic bbq!), and we were able to get back home via a  bus to Campinas.

IMG_0015

2 dias, 200km – Parte 2

Posted: December 28, 2012 by Natália Almeida in Cycling, Logistics, Photography, Português
Tags: , , , , , , ,

morungaba-bambuzal

A saída de Atibaia não foi fácil, antes de qualquer coisa tivemos que arrumar os problemas com com a bike do Ben, amarra daqui, tira o parafuso do meu bagageiro frontal e coloca no suporte traseiro dele, faz um monte de gambiarra e pronto a bike deve aguentar, re-organizar os alforjes, comer e sair para a estrada que tem 2 km de asfalto e depois um longo trecho de terra até a rodovia que estava em péssima condições e com uma subida longa cheia de crateras e pedras grandes. Acabamos empurrando a bike até o topo porquê com os problemas que já tínhamos tido com as bikes era melhor não ficar arriscando.
Já na rodovia os primeiros 30km foram tranquilos, é muito gostosos pedalar na Dom Pedro, o acostamento é largo e muito bem conservado, os caminhões buzinam o tempo todo nos dando apoio e nos incentivando. Pegamos a saída para Morungaba que é uma subida um tanto íngreme e sem acostamento. Aqui a estrada tem algumas surpresas como um lindo bambuzal que forma como se fosse um túnel. Não tem como não parar para admirar e também não querer aproveitar a sombrinha para um break.

Asphalt road into earth track...

Asphalt road into earth track…


Daqui pra frente o acostamento não existe ou quando tem é estreito e esburacado. Eu aconselho aqueles que vão pedalar por aqui a andar bem no limite entre a pista e o que deveria ser acostamento prestando atenção aos barulhos dos carros, se ouvir som de motor velho se arrisque e pedale por um tempo no acostamento. Não entendo qual é o tipo de magnetismo que fuscas, variantes, brasilhas e carros com mais de 15 anos sentem em nos assustar ou em tentar nos derrubar. As kombis mais a frente descobri que conseguem ser mais assustadoras, pelo fato de caber mais gente dentro que tentam nos dar tapinhas gritar bem alto e as vezes até espirrar água. Deve ter algum estudo psicológico sobre essa necessidade de nos ver desequilibrar em cima de nossas frágeis e indefessas bikes. Bambuzal Morungaba
Outra coisa importante nessa estrada é a presença de muitas motos de alta-performance correndo a milhão e desrespeitando toda e qualquer tipo de lei ou prudência. Apesar de olhá-los com certo medo os motociclistas tomam cuidado aos nos ultrapassar. E justamente por serem numerosos não têm como passar desapercebido um bar voltado para eles no centro de Morungaba o que nos pareceu uma ótima opção de parada. Tomamos gatorade, comemos um pedaco de bolo, nos reabastecemos de água e saímos de novo para pedalar.
O calor insuportável, e para melhor daqui pra frente as sombras eram raridades e doces surpresas numa estrada recheada de súbidas longas e poucas descidas.
Amparo é um vale, mas para descermos até ela temos que subir, subir e subir.
As subidas são longas e constantes o que as deixam mais fáceis o grande problema foi o calor ( sensação térmica de 44ºC) e a falta de sombras e opções de paradas.
Reclamei e muito e parei diversas vezes para me refrescar e molhar a cabeça.
Chegamos ao centro de Amparo, mas perdemos o último ônibus para São Paulo, liguei para meu tio que mora lá fomos a casa dele que nos esperava com carne na churrasqueira e uma latinha de cerveja bem gelada. Nos refrescamos e papeamos muito por lá. Depois o jeito foi pegarmos um ônibus para Campinas e de lá outro para São Paulo.
Chegamos em casa queimados e cansados, mas contente com o resultado do final-de-semana.
Aqui o link Garmim:
http://connect.garmin.com/course/2576891#.UNsbmHI_xyY.email

Courtesy of Pousada Paiol guest house at Atibaia www.http://pousadapaiol.com.br/)

Photo courtesy of Pousada Paiol guest house near Atibaia (www.http://pousadapaiol.com.br/)

The ride to Amparo, as I said before, was… eventful. The rainstorm on the Saturday was great fun (though admittedly, had there been no hard shoulder to ride along on the main road, I might not be saying this), and after it finished, we were able to dry off a little at a restaurant in the town of Mairipora – about half way to Atibaia, where we would stay the night. We ended up not having much to eat as while we ordered a light lunch, we decided to give up after an hour waiting as we needed to push ahead – annoying at the time, but actually it turned out okay as we were doing good with the energy block bars and we did not end up riding with heavy stomachs.

The rest of the journey up until Atibaia was smooth. While the rain stopped, it still remained cool, which was great for riding up and down the hills; not too much traffic and on the whole good progress along the roads. We were able to get to the entrance of Atibaia by around 6.30pm – around an hour and a half before it would get dark. From Atibaia, we had, however, an additional 12km to ride to get to the guest house where we would stay (Pousada Paiol). Now, there were two ways to get to the guest house; one going largely along the highway and the other, going through the town. I had programmed the route through the town into the GPS. We thought, once we got to the highway exit, maybe it would be better going along the highway, but as the route wasn’t programmed into it, I didn’t want to risk it – we weren’t sure what the roads would be like going through the town, but at least we wouldn’t get lost…

Asphalt road into earth track...

Asphalt road into earth track…

With hindsight, I really should have looked at the satellite views of the roads beforehand – you can clearly see how the surface of road we went over changed in the screenshot – though as it turned out, we would have faced similar conditions eventually had we gone the other way. At least we would have been prepared, psychologically, however..!

Final stretch to guest house

Final stretch to guest house

At first it was fine, but then going through Atibaia commercial centre wasn’t pleasant with lots of traffic and lots of drivers not accustomed to sharing lanes with cyclists. Getting through this we then had a good few hundred metres being shaken around riding over cobblestones. Onto the asphalt after this and then suddenly my back wheel starts making a noise. I get off and can’t see what it is, and see that it can’t turn backwards and it was slightly tight trying to turn it forward. After a while I realize that the screws securing the baggage rack to the bottom of the frame by the wheel had been shaken out and that the top of the rack had fallen down so it was resting on top of the actual wheel (it was pretty hot to touch because of the friction!). It was getting dark as well and we still had a good eight or nine kilometres to go. We had no spare screws so I had to work out how to balance the rack above the gears so it didn’t keep falling on top of the wheel. It worked for a while… until the road turned into an earth and rock track with lots of  bumps and holes to go over and around. Every couple of minutes or so the rack would be coming off and landing on the wheel again. Oh, and Natalia was getting a sore knee (with the shaking from the road her seat had come down a little bit, we realized in the morning). With the darkness coming down, all we wanted to do was to get to the guest house, have some food and rest, and work out whether we would be able to continue to Amparo in the morning or not.

Chalets at Posuada Paiol (photo courtesy of the Pousada  - http://pousadapaiol.com.br/)

Chalets at Posuada Paiol (photo courtesy of the Pousada – http://pousadapaiol.com.br/)

The road continued with intermittent stretches over rough earth and then good asphalt, though night settled in and the lights came on. Getting to our destination was top priority as being out at night in that place wasn’t particularly agreeable. As we got closer to the marker on the GPS, I checked the name of the guest house to make sure we wouldn’t miss it, though with everything that had been going wrong, this was worrying me – would we actually find it…?! And we were quite in the middle of nowhere. Fortunately, as we got closer, we saw a sign with the name of the place, telling us to keep going. The baggage rack stayed up and balanced and we were able to slowly but surely get there by 8.30pm – just half an hour before dinner ended. Can’t say I have been much happier to have found a guest house than how I felt then, and the place was well worth the suffering to get to…!

Sao Paulo - Amparo - ElevationTo get into shape for the UK bike tour, we need to get used to riding long distances on consecutive days. What better way to do this than to go to Amparo – a small town north of São Paulo – via Atibaia, a town to which we already know the route pretty well? It would have been a good 170km if we had gone straight according to the route, but we added on another 30km or so with detours, so it was a reasonable way to go. It proved to be a good couple of days that had a fair few highlights: riding through scorching sun, a ridiculously strong rain storm, punctures, a broken baggage rack, endless steep climbs, nice smooth asphalt highways, cobble stones and bumpy earth and rock roads, and a really nice guest house in between it all… a lot of fun.

Sao Paulo - AmparoIt is amazing how riding in the rain (when it’s hot, at least!) is so much better than riding exposed in the sun. Starting off at 10am on Saturday morning, it was a little later than I normally like to head out – 7am or earlier is much better, so we don’t get completely fried under the tropical sun. Fortunately, while it was hot, it was a little overcast, which helped. As we climbed the steep Santa Ines road up in to the Cantareira mountains, it stayed hot so we stopped on a number of occasions not because of the steepness of the hill but simply because the heat sapped our (sorry for the cliché!) souls! However, the clouds started to accumulate and the sky became darker and darker.  It started to rain just as we got over the summit of the mountain. It wasn’t too hard, but going downhill and the rain was driving into our faces and it actually hurt the skin a little. You also really feel the difference especially when braking: Down this stretch I normally go around 50km per hour as it is steep but there are a few long curves that need to be taken with care, but going that speed in the wet would have been just dangerous – as soon as you brake a little hard and you can feel the loss of traction and it’s a bit scary, so I was pumping the brakes pretty much constantly to make sure I didn’t build up too much. Flying off those curves or losing control with cars coming from behind or the opposite direction would not have been good.

At the bottom we discovered that Natalia had a puncture – back tire again, which has the most weight on it with the panniers and body weight – though fortunately we got a break from the rain to be able to fix it. We are getting better at dealing with punctures and it only took a few minutes to change this time. I think Natalia will need a new one with slightly better grip as her tires don’t seem so thick. We found a small piece of glass (about 25mm) that had pierced the rubber – always good to check the tire, so as to reduce the chance of the same object causing another puncture in the spare tube.

Temperature - to AtibaiaSo on we went… one more big hill and then flat highway to Mairipora. That’s when it started to really pour down. I didn’t have my waterproof jacket on and I was soaked within seconds. There was no point putting it on after that so I just kept going. Large puddles began to accumulate by the side of the road, and visibility was reduced dramatically (a 100metres or so). We got sprayed by the cars and trucks passing by… but again, we were so wet it made no difference at all. At the same time, however, it was really great. Visibility wasn’t really a problem as we weren’t going fast enough for it to be so important; our lights were strong enough to pierce the rain and make so cars could see us. It was so flat, there were no braking issues… it was just refreshing. Looking at the Garmin route analysis and the temperatures dropped from a peak of 35C before the rain to 18C… nice and warm. There was a problem of drying once we stopped for lunch in Mairipora, but while the lycra clothes are skimpy and maybe not the most fashionable things to wear(!), one of the good things about them is that they dry quickly. It was just our cycle shoes which took a little longer to dry off and it felt we were walking with feet underwater for a while.

Plenty more to tell about the ride, but I think I have written enough for now..!

estrada-da-sta-ines primeiro pedal de dias consecutivos foi um tanto familiar, a jornada de quase 200km entre minha casa e a cidade de Amparo duraram dois dias… O primeiro a boa e velha rota até Atibaia com algumas surpresas e uns 20 km a mais de muita terra e paralelepípedo.
Uma coisa que temos que melhorar e muito são nossos horários de saída. Sei que a maior parte dos atrasos são por minha culpa. Trabalhar 16 horas por dia durante a semana me fazia querer dormir mais e mais durante os finais de semana. Enrolar na cama é algo que sei fazer muito bem e fazer com que o Ben resolva ficar mais 5 minutos já sei fazer isso sem ter que pensar muito.
No sábado saímos de casa umas 8am e fomos na padaria para comer, por um erro de comunicação, nosso tradicional Bauru não chegou nunca e acabamos começando a pedalar com o suco de beterraba, cenoura e laranja e umas coisinhas que tínhamos beliscado. A estrada da Santa Inês parece mais fácil a cada ida, a primeira subida mais curta, e as paisagens ainda me surpreendem.descida
A estrada é assim a cada visita reparamos em algo novo.
Já na estrada do rio acima a chuva começou a cair, e foi daquelas que fica bem dificil de enxergar… O dia todo garoava e parava mas a chuva com ventos e muita água chegou e para minha surpresa fiquei feliz. Como é gostoso pedalar na chuva. Sofro tanto com o sol que nos castiga na maioria dos pedais que pedalar sem ter que parar em toda e qualquer sombra que aparece foi libertador.
Sem dizer que isso me motivou mais sobre o pedal britânico. Certamente dias consecutivos debaixo de chuva serão difíceis, mas acho também que será algo mais efetivo, porque pararemos menos. O frio vai sempre desaquecer nosso corpo e será mais um motivador a seguir sempre em frente até o destino do dia…
Paramos em Mairiporã para comermos algo… Um macarrão é sempre uma opção rápida mas não foi dessa vez. Esperamos por mais de quarenta minutos por uma massa que nunca chegou. Ainda bem, que nesse meio tempo pedimos suco de coco e com dois copos de suco saímos do restaurante e seguimos viagem.
A estrada até Atibaia também parecia ter menos subidas e os carros um tanto amigáveis.
Um pedal tranquilo que ainda nos reservava surpresas.
paisagemChegando em Atibaia o Ben optou em seguir para o hotel em que dormiríamos pela cidade e sair da rodovia. Seria uns 18 km depois do centro. Mas não contåvamos ter que subir em uma avenida com carros que não respeitam nenhuma lei de trânsito e que parecem ver um alvo nas nossas costas. Ao terminar a subida chegou a descida que para me irritar era de paralelepípedo. No fim viramos numa rua e lá a bike do Ben começou a fazer barulho. Demoramos até descobrir que os parafusos do suporte traseiro soltaram e o suporte dos ficava caído sobre a roda. Tentamos fazer uma gambiarra amarrando com umas alças que por sorte tínhamos conosco. Esvaziamos os alforjes e deixamos o peso na minha bike. Mais a frente para o desespero o asfalto sumiu e daqui para frente só víamos muita terra e pedras soltas. Uma hora fui descer da bicicleta e torci meu tornozelo, para aumentar o sacrifício. Alternei as subidas pedalando e empurrando. Seguindo o esforço que meu tornozelo aguentava.
A noite caiu, e lá estávamos nós indo, indo sem nunca chegar no hotel. Víamos placas, pedíamos informações. Mas acho que a irritação com o suporte da bike estar solto, eu com dor no tornozelo e a vontade de chegar logo só fazia parecer que estávamos demorando demais.
Mas uma hora chegou e quando vejo o lugar era incrível com piscina, um visual lindo e um jantar delicioso.
No outro dia muito mais novidades e experiências mas isso eu deixo para o próximo post!
trajeto-sp-atibaia1

São Paulo - Atibaia

<— First article regarding route planning

Two of the other online route planning tools we have used are Bike Route Toaster and Ride with GPS. Both are better than Garmin Connect from the point of view of showing the total elevation of your journey. The former is completely free, while the latter is free to use so you can plan your journey, but if you want to upload routes to your Garmin, you have to pay a subscription.

Starting with Ride with GPS, and this is the tool I have been using most until now (though that might change as in comment to my previous post, Charles (http://en.gravatar.com/thehomme) suggested using Strava… which looks interesting though doesn’t look to be any good for actually planning routes – just for analyzing the ones you have taken). I have used Ride with GPS to plot out initial drafts of the entire 360 Extremes route through from São Paulo to the top of the Americas (345 days, including days off… so quite a lot of individual routes there!). Everything is all there saved, though it would be nice to be able to organize things in folders or something to make it easier to find everything. The planner isn’t really good for cycle paths, though it does let you draw from point to point when there are no roads to follow, so it won’t take you all around the sun to meet the moon. And one thing that I really do like about it is that you can see the grade of the climbs as well, so you get a better idea about how steep the climbs you face really are – not something that appears in the other tools – and oh, yes, you can also use Street View to gain an idea of the roads (wherever Google have gone, that is).

On the left, the data from the GPS after the activity; on the right, the data from the planned activity.
Spot the difference (aside from distance as started 15km from start, after flat roads/gentle downhills)

Like Garmin Connect, you can download data about your daily activities from your GPS to the software, and it can keep track of everything. It can be buggy, however, sometimes and it can be easier just clearing a route and starting again rather than trying to sort out something that when wrong with the route/waypoints. Also, while it shows you the total climbs/descents over the course of a ride, it tends to exaggerate these by a good few hundred metres – the route from São Paulo to Atibaia is shown as +2131m / -2142m, when the Edge 800 altimeter works it out as around +/- 1,300m. Which is right… well Bike Route Toaster seems to support the Edge.

So being careful with the elevation planning, I would give this 7/10 on the whole though 8/10 for just the route planning – better than Garmin Connect simply because even an exaggerated idea of the total elevation is better than none.

Bike Route ToasterBike Route Toaster is great and easy for quick planning and is completely free. It gives you elevation data, allows you to create course points and warnings, and allows you to work with the “Virtual Partner” on the rides – though we haven’t used this much yet as we generally go at our own steady pace – the importance for us is not speed, rather building our endurance. The elevation data seems more accurate than the Ride with GPS – and is considerably closer to the readings that the GPS gives, so I would trust this much more for getting the most accurate information in planning your ride. It can be slightly buggy and you can’t save routes on to the server, so it is harder to organize and make adjustments to a sequence of different routes as part of a longer journey. Uploading them to your Garmin does saves the routes you create, however. It hasn’t got all the activity analysis features as the others, and also it isn’t the best looking of interfaces in the world, with tacky adverts appearing here and there… but what do you expect? It is free, after all.

6/10 as a general grade because of the lack of features, though 9/10 for just the route planning. Higher than Ride with GPS because you don’t have to pay to be able to upload the route to your Garmin.

AUDAX e o calor.

Posted: December 12, 2012 by Paulo Filho in Uncategorized
Na largada. Foto: Valdeir Silva

Na largada. Foto: Valdeir Silva

Recapitulando rapidamente para quem não leu o meu post pré-prova. Audax é uma modalidade  de ciclismo não competitivo onde o objetivo é percorrer longas distâncias de uma maneira totalmente autossuficiente.

Eu tinha feito o Audax 200 no final do ano passado. Finalmente tinha chegado a hora de fazer denovo, agora em outro trajeto. Como previsto, logo de manhã o clima já mostrava que ia ter muito calor.

A largada foi dada as 07h em ponto. O primeiro Posto de Controle(PC1) foi depois de 67km pedalados. Ali comi uma banana, enchi as 2 caramanholas, uma com água e a outra com gatorade e segui viagem, dessa vez acompanhado de um amigo que eu nem mesmo sabia que participaria da prova, o Renan. Seguimos pedalando em um ritmo confortável, sem forçar e também sem ir muito devagar. Fomos pedalando ele, eu e o Davi, que conhecemos na estrada mesmo. Seguimos juntos até o PC2 que ficava 107km depois da largada. Chegamos ali as 11h33. Aí o calor já era bastante forte, tanto que muitos dos participantes aproveitaram a estrutura do posto para tomar uma chuveirada e baixar a temperatura corporal. Por ali fiquei quase 1hora me reidratando e dando uma descansada. Depois saímos daí de novo, eu, o Renan e o Davi juntos de novo. Começamos bem mas logo eu fiquei pra trás. O calor me castigava bastante, termometros marcavam 37ºC e a sensação térmica era de 45ºC segundo alguns garmins. Fui num ritmo mais lento para não me desgastar demais. Parei em um posto de apoio da concessionária que administra a rodovia. Ali consegui mais água, fiquei deitado um pouco no sombra, e tomei um banho de mangueira para me refrescar. Sempre que possível eu molhava também uma faixa que estava usando na testa, isso ajudava bastante. Ali muitos estavam parando e fiquei um tempo conversando com o pessoal. Muitos falavam em desistir, ou que achavam que não iam completar dentro do tempo estipulado de 13h30 de duração, mas todo mundo se ajudava e desajava o melhor para o outro. O clima ali não é de competição, mas de cooperação.

Na chegada Foto: Valdeir Silva

Cada parada também eu aproveitava para me besuntar com protetor solar de FPS 60. A minha pele é bastante clara e sofre queimaduras de sol com uma certa facilidade. Dali fui pedalando com calma atéo PC3, onde se acumulavam 172,5km. Ali descansei mais um pouco, comi um pão de queijo, tomei um sorvete e segui viagem. Como já era mais de 5pm o sol já tinha baixado e pude voltar a imprimir u ritmo mais forte. Esse trecho também já era conhecido meu, foi o mesmo trecho final de quando fiz o AUDAX 300km. Segui pedalando com algumas pessoas que conheci no PC3. Nesse ultimo trecho o calor deu uma trégua e veio a chuva. E que chuva! Foi pra lavar a alma, com direito a granizo e tudo o mais. A sapatilha já estava encharcada, as meias também, o pé, pesado! Mas dali pra frente era só alegria, podia vir subidas ou descidas, eu já estava feliz em completar a prova. Quando terminei tudo que queria era tirar as luvas, o óculos e a sapatilha. Foi um total de 11h57 para percorrer 208km. Levando em consideração a temperatura e as subidas estou feliz com o tempo. Não é meu melhor mas também está longe de ser ruim.

Saindo descalço com o Amigo Paulo Lowenthal para buscar uma merecida cerveja Foto: Valdeir Silva

Dessa vez vi como o calor pode atrapalhar quando estamos pedalando na estrada. A dúvida agora é como o corpo responderá ao frio na nossa viagem treino que cruzará o Reino Unido. Espero que o frio atrapalhe bem menos.

I have been playing with some online route planning software in order to plan for our cycle training rides in Brazil and for the tour in the United Kingdom. Why is it important to plan? Not just because of the need to know roughly how far you will be going, but also because a: it is good to know how you are going to get to your end point (particularly in countries and areas where you don’t, for safety’s sake, want to end up in the wrong place, and b: you need to have at least an idea of what the elevation profile will be. This latter point is pretty darn important, as pretty much anyone would be able to ride 100km in a day if it is just going along a nice and flat path. However, if you are going to be climbing up lots of hills and going more than +1000m and 100km in a day, you have to be in decent shape; +2000m/100km in one day: very good shape… anything more and you will have to be in excellent condition…

The software I have been playing around with is Garmin’s own Connect software (connect.garmin.com) – for when you have a Garmin device; bikeroutetoaster.com; and ridewithgps.com. As you can imagine, they all have their advantages and disadvantages…

Garmin ConnectGarmin’s Connect tool is good as, even in São Paulo, you can plot routes that will take you through parks (such as Ibirapuera park), and it will recognise these as legitimate to take, and not just the road. You can save multiple routes, and easily see where you have these routes on the world (Google or Bing) map and side-list, so it’s nice and simple. At the same time, as you might expect being from the maker of the Garmin GPS, it is nice and easy to down/upload your routes from/to the Garmin GPS units. You can get a full range of different stats (from temperature profile; elevation; speed; pace; moving/total averages/calories and, if you have the sensors, cadence and heart indicators among others) about the various rides you have gone on as well, and it is great to be able to compare the rides you have done along the same route, and easily see how things have changed.

You can also plan workouts, and keep track of your health progress, but without the appropriate sensors, I haven’t had need to try this yet. The software measures indicators such as Body Fat, Body Water, Bone and Muscle Mass, physique rating, visceral fat, metabolic age and daily caloric intake… impressive stuff, and it says that with a Tanita BC-1000 Body Composition Monitor and a “compatible Garmin watch”, the measurements can be “tracked wirelessly” using the Connect Health system. Even more impressive. Would be very curious to see how it all works, though it is certainly promising. I am straying away from the point of this post though (sorry!), so back to planning rides (though of course, your health is important in knowing the kind of routes you could be doing!)!

Everywhere but the highway

Everywhere but the highway

There are two problems I have encountered: The first is that while it is easy to simply draw lines of the route (where, for example, there is no road or trail marked on the map), here in Brazil at least, it will do everything to stop you plotting a route along a highway. This can be quite annoying as we often end up riding along the hard shoulder of a highway (such as from Nazaré to Atibaia). I guess that there might be laws about this in places, but there should at least be an option.

Elevation

No elevation…?

The second problem is that, while you get a nice visual of the elevation profile, it does not tell you the total elevation gain/loss for a ride – quite a problem, especially when you are planning long distance rides. Doing 100km with +1000m of gain is one thing… doing it with +3000m is completely different, and you can’t really gauge this looking at just the profile. Maybe the problems are me not doing something right in the software, but I like to think am okay at getting to grips with these things, and if am not doing something right with it, then I imagine that others are having a few problems too!!

So overall?

The software is free… if you have bought a Garmin GPS unit. For a free piece of software it is good and it is great in the post-ride analytics, especially if you have all the appropriate sensors. But as you most likely would have forked a couple of hundred dollars or so on a new unit so as to be able to use the software, then you might expect the two points I mentioned to be ironed out – you are not going to be spending money on a GPS unit if you are not going to be going anywhere…

With this in mind, I would give it a solid 7/10, and will take a look at Ride with GPS and Route Toaster next post…

Garmin Edge 800

Another new acquisition is something that is already useful for training and will be very useful for the cycle tour of the UK and the entire journey: a Garmin Edge 800 GPS unit. We have just the unit with the bike mount – you can get it with heart and cadence monitors for it to provide a good overview of your training developments, though we will get that later. For now, just the GPS unit itself is good.

Garmin statsThe unit is touch screen, shows the map of where you are (precise city navigator maps are available for download from the Garmin website), and it is incredible as to actually how precise the location is: the unit records your journey can you can review it on the computer when you get back home – when you do, you can see even when you just headed back a metre or so to check something…

It took a while to detect the satellites when we first set it up, but after that, it has been quick. Hopefully when we are in the UK it will have no problems in picking up the different satellites up there. You can plan your route using the Garmin software, though there is other better software that you can use online – but I will talk about them in a bit (though the main problem is that in planning the course through being able to see the elevation profile – incredibly important for working out how hard a ride is going to be – distance is far less important!).

Uploading routes is straightforward enough, then you just find your route and you’re ready to go, with the route and cues showing nice and clearly on your screen. If you don’t have a route, you can start the timer and record a new one following the path you take – very simple to do.

At the end of it all, looking at the journey you have taken back on your computer, (opposed to when you are planning) you can see the elevation profile (with total elevation gain/loss) of where you have been and all sorts of nice information about the route – total time; total time peddling / total stops; average speed / temperature / pace… and as you do the same courses over time, it is great to be able to compare everything, as all is tracked. It will also show the number of calories it calculates that you burn during your training session – how accurate this is, however, is another question as many reviewers commented that the best algorithms for calculating this have been patented by other companies…

Plenty of other Garmin units out there, though definitely would recommend this if you can afford to fork out a bit more. Here in São Paulo, Casa de Pedra sells the unit along with other Garmin models – check them out on their online store.

Also, you should be able to check out the last route we cycled using the GPS at this link… São Paulo – Atibaia – 25 Nov 2012.

Garmin charts

Atibaia map

Essas são duas palavras apesar de parecerem não são contrárias uma da outra. As duas são para mim bastante importantes não só no esporte mas também na vida.

Quem me conhece pessoalmente, sabe que eu sou bastante brincalhão. Apesar disso sou uma pessoa bastante organizada e cheia de manias e métodos que adquiri com o tempo.

DESCONTRAÇÃO:

Descontrair quer dizer relaxar muscularmente e mentalmente. Pra isso, durante as pedalada tem uma coisas que gosto de fazer: Ouvir música.
Dentro da cidade, como a atenção tem que ser grande, não é meu costume ouvir nada além do trânsito, mas quando estou na ciclovia ou na estrada faço questão de estar ouvindo música. Sempre saio com um iPod pequeno que eu tenho, não cabe muitas músicas nele, mas já é o suficente para umas 12horas de pedaladas. Coloco músicas de diversos estilos, mas sempre tenho também uma playlist motivacional. Isso pode parecer bobo pu piegas, mas eu gosto disso, quando chega a hora de enfrentar uma serra onde pode-se passar horas em subidas ou quando as forças já estão se esvaindo é quando eu coloco ela pra tentar esquecer do esforço que estou fazendo.
É claro que isso depende de gosto musical, mas aqui vão algumas músicas que estão na minha playlist motivacional. Bastante coisa veio até mesmo de trilhas sonoras de vídeos de esporte ou filmes que eu gosto.

CONCENTRAÇÃO:

Concentração pra mim começa com rotina. Uma pedalada longa, sempre começa no dia anterior. Antes de dormir encho os pneus da bicicleta, separo tudo oque vou precisar (normalmente 1 câmara de ar reserva, 1 bomba de inflar, 1 kit remendo, 1 canivete de ferramentas, 1 saco plástico do tipo ziploc onde coloco os documentos, dinheiro, cartão de crédito e que cabe o celular também no caso de começar a chover). Tento também dormir cedo e não comer nada muito pesado. No dia da pedalada acordo bem cedo, tomo banho, coloco a roupa de ciclismo, tomo café da manhã, passo protetor solar, confiro se os pneus não mucharam durante a noite, encho a caramonhola com água gelada e finalmente faço o alongamento. Essa rotina me garante que eu não tenha que me preocupar durante o pedal com a falta de nada.

A outra parte da concentração vem durante a pedalada, mas é mais necessária nos momentos de dificuldade, aqui é a parte onde as músicas motivacionais da desconcentração trabalham juntas com alguns pensamentos que carrego comigo. São frases que me fazem lembrar que os fins justificam os meios. Que o momento pode ser difícil, mas que no final, tudo aquilo vai valer a pena e eu me sentirei melhor. São algumas delas:

“It doesn’t have to be fun to be fun.” Barry Blanchard

“It never gets easyer, you just go faster.” Greg Lemond

“Pain is weakness leaving the body.” Daniel J. Evans

“Pain is temporary. Quitting lasts forever.” Lance Armstrong

É por tudo isso que eu acredito que  concentração e descontração trabalham juntos, cada um tem seu papel, hora se alternando, hora se complementando.

Alguma sugestão de frase ou música? Deixe nos comentários!

topoblog1
Vocês acompanharam nosso início de bike e as nossas primeira pedaladas nas estradas. E com certeza teria sido um início bem mais difícil senão fosse pelo André Pasqualini e o Desafio Bicicletas ao Mar. Hoje esse grupo ainda cresce e pedalamos juntos pelo menos 1 vez ao mês. Mas com esse mesmo espírito de ajudar os ciclistas do dia-a-dia e os que querem pegar estrada o André ainda faz nascer em nós a vontade de que todos deveriam poder vivenciar essa liberdade que a bicicleta nos proporciona. E com uma ideia na cabeça e com um grupo de pessoas dispostas a ajudar nasceu o Projeto Bicicletas de Natal. Que abaixo eu coloco o texto que peguei emprestado de seu blog para vocês entenderem, divulgarem e que sabe fazer parte.

PROJETO BICICLETAS DE NATAL

O Coletivo formado pelos participantes do grupo Desafio Bicicletas ao Mar organizou uma campanha de doação de bicicletas, nosso objetivo era recebermos a doação de 100 bicicletas que serão reformadas e doadas a jovens ligados a entidades filantrópicas da região metropolitana de São Paulo. Para realizarmos essa ação, firmamos uma parceria com a CPTM que irá nos ceder um espaço para montarmos nossa oficina temporária. Esse espaço será a antiga passarela da estação Pinheiros da CPTM, que atualmente está desativada. Lá iremos montar nossa base operacional, onde organizaremos grandes mutirões para prepararmos as bicicletas.

foto01
O projeto está dividido em três fases, a primeira foi no ultimo final-de-semana, a etapa de recebimento das doações. Um sucesso sem tamanho, conseguimos exatas 100 bicicletas. A segunda foi no dia 03 de dezembro, com inventário e início dos mutirões para reforma das mesmas e a terceira será no dia 23, data da entrega das bicicletas.

Como colaborar com o projeto?

Os voluntários poderão ajudar daqui pra frente:

– Se voluntariando para ajudar na reforma das bicicletas

– Abaixo iremos detalhar as fases do projeto e como ajudar:

Se voluntariando na reforma das bicicletas

Como iremos operar dentro de uma área paga da CPTM, todos voluntários irão assinar uma lista de presença na entrada da estação Pinheiros. Já aqueles que se dirigirem até o local utilizando o sistema do Metro e da CPTM não precisarão preencher esse formulário já que nosso ponto de encontro será na área paga do sistema. De qualquer forma, caso você queira participar de algum dos mutirões, envie um email para bicicreteiro@gmail.com com seu nome e RG para colocarmos na lista que ficará durante o mês de dezembro na estação Pinheiros da CPTM.
Criamos um evento no Facebook para os grandes mutirões dos dias 15 e 16, se inscreva e tire suas dúvidas por lá.

http://www.facebook.com/events/454753451247472/

Para mais informações sobre os mutirões de dias de semana, acesse o grupo Desafio Bicicletas ao Mar no Facebook e participe de forma mais ativa da nossa campanha.

Para chegar ao local dos mutirões basta se dirigir até a estação Pinheiros da CPTM. Se você for de bicicleta ou de carro, deixe sua bicicleta no bicicletário (carro na rua), procure os funcionários da CPTM e informe seu nome completo com RG, eles irão consultar uma relação de pessoas autorizadas e lhe dará o acesso a estação, depois basta se dirigir a passarela que fica na área da CPTM, em frente aos banheiros públicos.

IMPORTANTE: É preciso ter seu nome na lista para acessar nossa oficina na estação Pinheiros, para isso mande um email para bicicreteiro@gmail.com com o assunto “Voluntário do Mutirão” informando nome completo e RG. Também importante escrever o campo do assunto exatamente como acima, do contrário seu email pode ser perdido e o nome não entrará na lista. Já quem se deslocar até a estação de Metro ou Trem, não precisa sair da área paga, basta ir até a passarela e procurar um dos voluntários que estarão no local, desde que seja nos horários citados mais acima. Na dúvida pergunte sempre a um funcionário da CPTM (não do Metro).

Doando peças ou valores ao projeto

Os voluntários poderão sair a “caça” de doações, visitando bicicletarias pois é comum as pessoas trocarem equipamentos, descartando os antigos ainda em bom estado de conservação, uma lista com equipamentos necessários se encontra no site do bicicreteiro também.

Há outros tipos de equipamentos, como conduítes, cabos de aço, pastilhas de freio, óleos e lubrificantes, pneus e até mesmo algumas ferramentas específicas que utilizaremos nas montagens das bicicletas que possivelmente precisaremos adquirir. Caso você opte em ajudar dessa forma, aguarde a divulgação da lista de materiais ou faça uma doação clicando aqui.

Quem fizer uma doação a partir de R$30,00 e levar o comprovante da doação em um dos nossos mutirões, receberá dos nossos voluntários um pequeno curso de manutenção de bicicletas, dicas que servirão para você manter sua magrela sempre em ordem. Caso você também deseje colocar a mão na massa, pode ficar a disposição do grupo para realizar algum trabalho no mutirão, outra boa maneira de aprender um pouco sobre mecânica de bicicleta.

Doe e concorra a uma Bicicleta Durban Metro

Para incentivar as doações vamos rifar essa linda bicicleta que foi doada por um voluntário, para concorrer você pode doar qualquer quantia e enviar o comprovante da doação para o email bicicreteiro@gmail.com. A cada dois reais doados você ganha um número de 0 a 1000 e o resultado do primeiro prêmio da Loteria Federal do dia 12/12/2012 leva a bicicleta. Participe e nos ajude, entre no site do O Bicicreteiro para mais infos e cadastramentos.

André Pasqualini

P24h
Em menos de uma semana um ciclo importante da minha vida se conclui e a minha rotina vai mudar bastante. Sinceramente esperava que a essa altura eu fosse estar triste e saudosista mas meu corpo e minha mente anseiam por essa mudança. Tamanha a ansiedade que estou com a alergia tomando conta dos meus braços e pescoço…
Ansiedade é algo sempre difícil de se controlar. E no meu caso é genético, porque todos em casa somos extremamente ansiosos. Com o passar dos anos sempre busquei controlar isso porque no meu caso sempre fez mal ao meu organismo.
Sou alérgica desde sempre e normalmente essa minha dermatite é emocional, sempre motivada pelo estresse, nervoso, cansaço e ansiedade.

Acredito que o motivo de hoje seja o cansaço e o querer de resolver e deixar minha equipe com as coisas encaminhadas e uma estrutura de trabalho que funcione.

Depois de 4 anos trabalhando na Eyeworks-Cuatro Cabezas vou deixar a casa e buscar novas experiências e crescimento profissional. Lá fiz amigos eternos, criei parceiros de trabalho, conheci pessoas incríveis,
aprendi muita coisa nova e amadureci. Não foram só maravilhas nesse tempo, na verdade foram muito perrengues, muitas madrugadas e finais de semana, diversos momentos tensos, de muita pressão, de cansaço e de correria.
Ali chorei, briguei, sorri, papeei, festejei, reclamei, resolvi e ri muito. Tantos sentimentos, histórias e momentos que vou levar comigo. Certeza que o que mais vai me faltar serão as companhias diárias regadas a papos e desabafos.
O que me consola da saudade antecipada que me bate destes é a certeza que os trabalhos vão e voltam mas as pessoas podemos carregar conosco.
A equipe que deixo, levo o orgulho de um trabalho suado e de muita dedicação. Levo os sufocos e os perigos que cada um enfrenta. E levo a alegria que sempre me motivou a cada dia. Saio com a certeza de que dei o meu melhor e que tudo só foi possível porque todos de alguma forma contribuirão. Desejo sucesso sempre e que com o novo ano tudo só melhore. Àqueles que ficam meu muito obrigado e estamos aqui pra qualquer desabafo, ajuda, cerveja e risadas!

A partir do dia 15 vou conseguir me dedicar forte aos treinos e ao planejamento para a viagem-treino de janeiro, além de muitas ideias que estão a saltitar na minha cabeça e preciso programar e organizar a vida daqui em diante.
Afinal de contas mais um ano que termina e outro que começa e a minha vida cheia de novidades!

P24_Temporada 02

P24_Temporada 01

p24_1

E24

ALIGA

van,di eu

meninas

Juna, Pri, Calu, Eu

FEsta Fim de ANO 02

FEsta Fim de ANO

festa 00

EU, ALE, RE, JUNA

EU e JORGE

CASORIO

bie e u

Audax 200km Holambra: Antes

Posted: December 4, 2012 by Paulo Filho in Cycling, Uncategorized
Tags: , , , , ,

Dia 8 de dezembro participarei do AUDAX 200km. Dessa vez em Holambra, mesma cidade onde participei do AUDAX 300km.

Trajeto do AUDAX 200

Trajeto do AUDAX 200

Mais uma vez, testarei aqui meus limites. A cada prova me sinto mais forte e mais preparado fisicamente para oque está por vir. Mas essas provas também são muito importantes para preparar o lado psicológico.
Quando algo está em jogo (no caso a finalizar os 200km dentro de um prazo máximo de 13h30) a cabeça funciona de forma diferente, e cada imprevisto te consume de uma forma diferente. Esse tipo de coisa vai acontecer durante nossa expedição, hora correndo contra o pôr do sol, hora correndo contra uma tempestade iminente ou outras coisas também não controláveis por nós.

Dessa vez não me preocupa tanto o percurso ou as subidas. Oque me preocupa de verdade é o calor. Se estiver quente como estava no Desafio Rural, a prova será duríssima! A região de Holambra é famosa por ser quente, agora torço para que no dia o clima esteja mais ameno. De qualquer modo capricharei no protetor solar, no protetor labial e tentarei usar mangas compridas. A hidratação também terá que ser ainda maior.

Perfil Altimétrico: Pior trecho será ainda de manhã.

Perfil Altimétrico: Pior trecho será ainda de manhã.

Outra coisa bastante importante é criar um checklist das coisas necessárias para levar, o meu checklist é:

2 Camaras de ar 700×23
2 Espátulas pra tirar pneu
Bomba de ar
Kit remendos
Canivete de ferramentas
Lanterna dianteira
Luz traseira
Colete refletivo
Luvas
Capacete
Protetor Solar
2 suportes para caramanhola
2 caramanholas
Protetor Labial
Óculos de Sol
Ipod
Celular
Bermuda
Camiseta
Manguitos
Meias
Sapatilha
Creme para evitar assaduras
Planilha orientativa
Mapa impresso

Essa semana separarei algum tempo para estudar o mapa e a planilha orientativa, assim fica mais difícil me perder na estrada.

Eu escrevi sobre o Camino a los Yungas quando ainda estava na Bolívia e de lá mesmo consegui mandar o trecho do meu pequeno acidente… Agora conseguimos fazer um vídeos mostrando mais essa rota cheia de perigos e belezas. O segredo para terminar o caminho sem machucados é ser prudente o tempo todo e não confiar demais em si. No nosso grupo de 7 pessoas tivemos 3 quedas, nada muito grave: eu cortei minha boca e tive arranhões e roxos por todo o corpo; o Ben caiu de leve mas ficou com a barriga dolorida e um americano que nos acompanhava queimou e perdeu boa parte da pele de um dos braços ao cair e arrastar o corpo por sobre as pedras. É uma experiência super válida e um lugar cheio de surpresas…

From the start of the time in Bolivia, after a few days acclimatizing in La Paz, the first part of the mountaineering was from the Condoriri, where we looked to climb Pequeño Alpamayo (around 5,400m) – a beautiful mountain. But getting there wasn’t such a smooth process..