Indo para Newtonmore – Parte 2

Posted: February 25, 2013 by Natália Almeida in Cycling, Uncategorized
Tags: , , , , , , , , , , , , ,

up to newtonmore

Fomos pela ciclovia que seguiu ao lado da A9 por alguns quilômetros, depois desviava por uma estrada lateral que por ser pequena e usada mais por ciclistas não era cuidada na época do inverno, o resultado foi pilhas de neve cobrindo o icy. Pedalar ali era quase impossível, manter a calma se mostrou mais que essencial. Estudando onde tem menos neve e manter o ritmo do pedal ajuda a não perder o controle em cima dessa superfície que parece que só quer nos derrubar. Pude ver que mais a frente não tinha mais neve, e foi bom ver que aquilo duraria pouco. No fim eu e o Ben rimos, porque desde o dia que começamos estávamos esperando condições como essa, e foi bom poder experimentar e aprender como lidar.

Seguimos pedalando, e a estrada apresentava montes galhos e folhas, poças, neve em todo lugar. Acabamos perdendo um pouco do ritmo e chegando a conclusão que seguindo por ali realmente chegaríamos em Newtonmore bem tarde, mas ficamos aliviados em não ver mais icy e neve, pena que o alívio durou pouco  mais a frente a neve era tanta que não dava para saber o que era estrada e o que não era a não ser pelas cercas e muros, e as marcas de pneu de algum carro que passou por ali alguma hora do dia. Fomos pedalando por cima das marcas de pneu, mas quando a pilha de neve aumentava mais difícil ficava de pedalar, a bike ficava pesada e os pneus parecem deslizar mais. Eu escorreguei mas consegui apoiar o pé no chão evitando a queda. Subi de volta e voltar a pedalar se mostrou um desafio e tanto. Mais a frente escorreguei de novo, mas não caí, e a neve aqui mais densa ainda me mostrou que tem horas que empurrar a bike é mais seguro e rápido. E assim fui. Ao terminar, subi de novo e a segunda parte coberta por neve consegui pedalar até o final.

icy road

Encontramos uma saída para A9 mais a frente e como a ciclorota parecia ainda pior do que o que já havíamos enfrentado, resolvemos ir pela rodovia.

Agora o movimento parecia bem menor, e realmente estava, os carros e caminhões continuavam nos surpreendendo com tanto cuidado conosco,  íamos pelo cantinho esquerdo tentando ocupar o menor espaço possível da pista, e eles continuava entrando na contra-mão para nos ultrapassar com segurança.

Mais a frente vejo uma das minhas placas prediletas: pista extra a frente. Agora sim poderíamos pedalar nos sentindo bem mais seguros, mesmo sabendo que depois de todos esses dias se tem algo que aprendi é que junto com essas placas vem uma subida. A lógica é simples nas subidas é mais comum os carros quererem ultrapassar, já que cada carro tem uma potência diferente. A subida era longa e constante, nada que atrapalhasse nosso ritmo.

Nos últimos 20 km o que eu mais queria era ver a minha segunda placa predileta, a que indica posto, banheiros e cafés. Mas nada, nem sinal. Na verdade até teve uma próxima a Dalwhinnie mas o posto estava fechado. 

O jeito foi se distrair com o cair da noite e pedalar rápido pra tentar chegar antes e ficar o menor tempo possível no escuro. E fizemos bem, pegamos a entrada de newtonmore quando a noite escureceu, acho que mais ou menos 18h30. Chegamos no B&B que era ótimo, o quarto todo bonito e arrumado, e naquela hora nada como tomar um chá quente, tomar um banho quente e vestir roupas secas. O dia tinha começado calmo e parecia que ia ser um dia sem muitos desafios, mas para nossos engano deve ter sido o dia em que aprendemos mais.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s